RLCS, Revista Latina de Comunicación Social
Revista Latina

Digital Object Identifier System - Identificador de Objetos Digitales 10.4185/RLCS-2013-989po | ISSN 1138-5820 | RLCS # 68 | 2013 | Version in English language | Explicación audiovisual del autor |

 

Cómo citar este artigo / Referencia normalizada
A Fidalgo, A Serrano Tellería, JR Carvalheiro, J Canavilhas, JC Correia (2013): “O ser humano como portal de comunicação: A construção do perfil no telemóvel”, en Revista Latina de Comunicación Social, 68.
http://www.revistalatinacs.org/068/paper/ 989_Covilha/23_Telleriapo.html
DOI: 10.4185/RLCS-2013-989po

O ser humano como portal de comunicação:
A construção do perfil no telemóvel

Human Being as a Communication Portal:
The construction of the Profile on Mobile Phones

A Fidalgo [CV] Universidade da Beira Interior, UBI, Covillha, Portugal [oc ] [Exit] [lgs GS] fidalgo@ubi.pt
A Serrano Tellería [CV] UBI [oc] [RID] [lgs GS] ana.telleria@labcom.ubi.pt
JR Carvalheiro [CV] UBI [oc] [lgsGS] jose.carvalheiro@labcom.ubi.pt
J Canavilhas [CV] UBI [RID] [lgsGS] jc@ubi.pt
JC Correia [CV] UBI, Covilha, Portugal [RID][lgsGS] jcorreia@ubi.pt

Resumo
[PT] Introdução. A incorporação do telemóvel na vida diária do ser humano não apenas altera as dimensões de espaço e tempo, como também muda a sua percepçâo e maneira de se relacionar com o ecossistema. Método. A partir do conceito de intimidade tecnológica, que descreve os níveis de interação entre o homem e a tecnologia, utilizado por Boyce e Hancock, analisa-se o estado da arte e propõe-se uma metodologia que permita explorar questões, cada vez mais prementes, principalmente no que diz respeito à delimitação das esferas públicas, privada e ao interação no espaço comum. Resultados e conclusões. Seguindo em particular as teorias de Castells, Heidegger, Meyrowitz e Habermas, articula-se um conjunto de categorias que permitem aprofundar os conceitos de espacialização, voluntariedade e perfil, identificados como elementos chave nesta primeira fase do projeto para a análise do ser humano como portal de comunicação.

Palavras-chave: ser humano;portal de comunicação; perfil; telemóvel
Keywords: human being;communication portal; profile; mobile phone

Sumario: 1. Introdução. 2. Método. 2.1. Perspetiva interna (Internal perspective). 2.2. Extensão externa (External extension). 2.3. Interações interpessoais (Interpersonal interactions). 2.4. Reflexo societal (Societal reflection). 3. Conclusões. 4. Bibliografía. 5. Notas.
Contents: 1. Introduction. 2. Method. 2.1. Internal perspective. 2.2. External extension. 2.3. Interpersonal interactions. 2.4. Societal reflection. 3. Conclusions. 4. Bibliography. 5. Notes.

[ Investigación ] [ financiado ]

| metadatos | Fichero pdf para imprimir | Presentación dinámica - ISSUU | Artículo acogido a Creative Commons | Referencias |

| Serie de ficheros para e-books | mobi | htmlz + lit + lrf
+ pdb + pmlz + rb + snb + tcr + txtz |

1. Introdução

Numa época em que é possível estar permanentemente visível, disponível e conectado por meio dos dispositivos móveis [1], cada novo contacto com uma tecnologia remete paraquestões fundamentais. A mudança, o desenvolvimento e a amplificação das coordenadas espaço-tempo, das perceções e interações e da delimitação e configuração das esferas pública e privada constituem os principais aspetos pesquisados relativamente à transposição da identidade [2] dos sujeitos para os perfis [3] na rede. Este artigo apresentauma primeira abordagem ao estado da arteno campo das comunicações móveis com o objetivo de levantar questões que futuramente permitam aprofundar o seu estudo.

Neste sentido, a primeira característica que Castells atribui à comunicação móvel é a autonomia, mais do que a própria mobilidade, porque a maioria das chamadas acabam por ser feitas a partir de lugares onde existem também telefones fixos(2008: 448). Assim, na sociedade em rede, cada pessoa tem uma definição própria de redes e é, ao mesmo tempo, nó de ligação. Para o autor, a comunicação sem fios resgata o conceito de família “póspatriarcal” formada por indivíduos que afirmam a sua autonomia, incluindo crianças, e que, simultaneamente, têm necessidade de coordenação constante –de acordocom o contexto espacial ou social, por exemplo, a pergunta “onde estás?” que substitui o “como estás?”– e acompanhamento, de apoio e sistemas de backup.

Esta comunicação autónoma, aliada ao aumento do número de telemóveis e ao acesso à Internet, estende-se também ao campo da mobilização sociopolítica. “A rede é mais uma criação social do que técnica”, afirma Keen relembrando as palavras de Berners-Lee, o arquiteto original da World Wide Web, que considera a questão social o núcleo central da Internet: "Eu a projetei para ter um efeito social –ajudar as pessoas a trabalhar juntas–, e não para ser um brinquedo técnico”(Keen, 2012: 118).

A segunda característica que Castells (2008: 449) realça, neste processo de transformação comunicacional, é o espaço de fluxos e o tempo intemporal, caracterizado inadequadamente como multitarefa. O espaço de fluxos significa simplesmente que a simultaneidade na interação social pode ser alcançada sem contiguidade territorial. O tempo intemporal, por sua vez, diz respeito à capacidade de aproveitar o tempo em momentos livres. Porém, Castells adverte (2008: 45): “Não é que nos tenhamos tornado escravos da tecnologia. Em vez disso, escolhemos a tecnologia para escravizar a nossa liberdade, porque somos livres para o fazer (a liberdade pode ser usada para a auto-destruição, como mostra a história)”.

Em relação ao espaço, Lemos (2013: 55) lembra a importância da perspetiva de Heidegger no aprofundamento da relação “espaço, mídia locativa e teoria ator-rede”. “O espaço é concebido como vorhanden (present-at-hand, o objeto nele mesmo, ‘teoria’) e zuhanden (ready-to-hand, o objeto para nosso uso, a ‘região’, o lugar por onde nos deslocamos, ‘prática’)”. Portanto, o espaço tem um duplo modo de se ver pelo que a existência é uma espacialização constante. Este modo de existência dá-se a partir da separação (aquilo que está próximo ou distante) e da direcionalidade (a orientação do movimento), que, por sua vez, ampliamos por meio das redes técnicas (Arisaka, 1945: 460).

Com a nossa demonstrada capacidade de lidar com múltiplas tarefas, cognitivas e operacionais, que envolvem a tecnologia, somos ainda capazes de, simultaneamente, cumprir rituais sociais comuns, sem que isso implique uma perda substancial da nossa “face”, no sentido de Goffman (Ling, 2008). Utilizamo-la assim como uma parte das nossas considerações estratégicas e táticas comunicacionais (Baron, 2008). Este estado é, contudo, influenciado pela ideia de atenção parcial contínua descrita por Stone [4], temos capacidade de estarmos sempre conectados sob o risco de entrarmos num estado de stresse. E, mais uma vez, a ansiedade de informação (Wurman, 2000) vem recordar-nosda importância da literacia digital e da gestão da informação nestes tempos de fluxo contínuo e abundância de dados.

A comunicação móvel melhora várias dimensões da liberdade e aumenta as nossas escolhas na vida, ao mesmo tempo que também se pode voltar contra o utilizador: invadir a privacidade pessoal e causar sofrimento emocional, político e tecnológico, resume Katz (2008). Neste sentido, Keen (2012: 198) adverte: “No grande exibicionismo de nosso mundo da Web 3.0 hipervisível, onde estamos sempre em exibição pública, sempre nos revelando para a câmera, perdemos a capacidade de permanecer nós mesmos”, e acrescenta: “Estamos esquecendo quem realmente somos”. Enquanto uma outra característica é a possibilidade de escolha, a“prática do self multifacetado”; onde o Eu (Self) passa de multitarefas para multi-vidas, como descreve Turkle (2011: 192).

Um dos principais críticos de Bentham, no século XIX, John Stuart Mill, argumenta que para o indivíduo permanecer humano, este devia, ocasionalmente, desligar-se da sociedade, para que pudesse continuar privado, autónomo e secreto. Keen usa o discurso de Mill para criticar a pretensão dos defensores extremos dos Social Media (Keen, 2008: 34-35) como Mark Zuckerberg (“queremos garantir que toda experiência que você tenha seja social”), John Doerr (“grande terceira onda”), Jeff Jarvis e o seu manifesto pela transparência (“o centro de gravidade da Internet”) ou Reid Hoffman (“dar à sociedade uma lupa para examinar quem somos e quem deveríamos ser”, Ibidem: 53).

Seguindo esta linha, a nossa especificidade como espécie estaria na capacidade de nos destacarmos da multidão, de nos libertarmos da sociedade, de sermos deixados sós, de pensar e agir por conta própria; como  argumenta Keen (2008: 200): “O futuro, portanto, deve ser tudo menos social” (Ibid: 201).

Numa economia global –no sentido de uma economia de redes, de uma economia social e de confiança (“transparência na rede recompensa a integridade”, diz Hoffman citado por Keen, 2012: 58)– já existem empresas especializadas na eliminação de dados e salvaguarda da reputação na rede. Além disso, o e-government e as ligações sem fios –consideradas, hoje, ferramentas essenciais–, mas também a volatilidade das políticas de privacidade, a falta de profundidade sobre o impacto do sistema operacional, as aplicações que recorrem a dados pessoais, os sistemas de geolocalização automáticos e a vigilância sem permissão, etc., são alguns dos campos em que é preciso aprofundar as pesquisas.

Por portal de informação entende-se um espaço que aglutina e dissemina informação organizada de acordo com um conjunto de critérios. A grande vantagem destes repositórios online é a riqueza do conhecimento disponibilizado num só espaço, mas também a rapidez na resposta às solicitações dos utilizadores.

No ecossistema móvel, o conhecimento tende a ser redefinido como informação, e o processo de aprendizagem materializa-se num ciclo, no qual a informação correta é entregue à pessoa certa no mais curto espaço de tempo possível (Myerson, 2001). Nesta perspetiva, a possibilidade de manter uma ligação permanente à rede e o facto de os telemóveis serem um aparelho de uso pessoal (Goodman, 2003) transformam o seu proprietário no tal portal que, ao contrário dos portais online, está acessível não só à sua geografia de amizades, mas também a um espetro potencial de novos contactos, ainda desconhecidos.

O ser humano como portal de comunicação [5] lida com a gestão contínua do fluxo de dados num espaço que flui (Castells, 2008: 449) e numamudança ou transposição do tempo comum (interpretação que surge no sentido do tempo intemporal de Castells, Ibid). Nestadeve-se verificar uma gestão dastarefas de acordo com a sua prioridade, tendo em conta o estado de contato permanente (Kazt, Aakhaus, 2002) e a diferença, nesta concepção, entre o ser humano como portal e o resto dos utilizadores. Existimos, assim, configurando uma espacialização virtual onde a direcionalidade e a distância estãoconfusas ou ainda indefinidas.

2. Método

Deste modo, esta revisão do estado da arte parte da perspetiva do homem como um portal de comunicação, no qual a delimitação da condição humana é definida pela atitude e forma de se relacionar do ser humano com o ecossistema (ver por exemplo, Bateson 1979, 1991). Esta noção de  relação e de interdependência   já fora, aliás, abordada por autores como Elias (1980: 134): “A imagem do homem em relação tem que ser antes a de pessoas no plural; temos obviamente que começar com a imagem de uma multidão de pessoas, cada uma delas constituindo um processo aberto e interdependente”.

Neste sentido, partimos duma perspetiva que analisa a relação dos seres humanos com a tecnologia e propõe o conceito de “tecnologia da intimidade” de Boyce e Hancock (2012) a fim de dividir o estado da arte em quatro dimensões: a perspetiva interna, a extensão externa, as interações interpessoais e o reflexo societal. É uma primeira proposta de análiseque ajuda a esclarecer questões a aprofundar, em que a classificação das conclusões dos estudos apresentados foi feita de acordo com o destaque do seu principal aspeto ainda que outros poderiam ser incluídos nas restantes dimensões possíveis.

Boyce e Hancock (2012) explicam, na sua análise da intimidade crescente, como se estabelecem as relações entre os seres humanos e a tecnologia. Com o desenvolvimento de cada um dos sistemas mais inovadores e íntimos, a linha entre homem e máquina é cada vez mais turva. Os conceitos de humano qua humano e máquina qua máquina já não estão situados nos extremos: de um lado, espetro humano; do outro, automação. Em vez disso, o homem e a máquina representam uma díade convergente que se tem desenvolvido no sentido de uma “comunalidade” híbrida.

A relação entre o utilizador e a tecnologia pode ter diferentes graus. Esta relação dá origem à construção da intimidade tecnológica, que representa a identificação da ligação física e emocional entre um ser humano e um sistema tecnológico (Bennett, 2011; Carnegie, 2002).

2.1. Perspetiva interna

Esta dimensão representa um nível de aceitação tecnológica para o indivíduo, que pode ir além da mera “fisicalidade” da interação, mas também aborda os processos cognitivos como atenção, resolução de problemas, tomada de decisão. A maneira como um indivíduo decide aproveitar a intimidade tecnológica fisicamente pode ser ligada à forma como o cérebro assessora a necessidade de interação, perante o estado do mundo atual (Hancock & Hancock, 2009).

Isabella (2009: 1) pergunta a si própria se o facto de as pessoas viverem continuadamente desta forma –agindo em permanente execução pública, com alto grau de mobilidade e as relações do tempo e espaço desincorporadas (ou deslocadas; Giddens, 1990)– é uma forma de se legitimarem e serem "reais". Acrescenta ainda que a web 2.0 já não é um "lugar" onde as pessoas podem experimentar identidades e jogar com as partes dos seus Eus, mas uma forma de se legitimar por meio do consenso dos utilizadores da Internet, sendo o telemóvel um instrumento de acesso a este mundo paralelo (Turkle, 2005, 2008).

O telemóvel –como extensão e amplificação do nosso corpo–  é um dispositivo que, nas palavras de Groening (2010), é o mais novo e mais versátil dos media eletrónicos, ao permitir a suposição e a propagação da identidade. O seu problema, tal como a televisão, é que fortalece a separação, a solidão e o isolamento, enquanto oferece comunalidade virtual, intimidade e conexão: representa a possibilidade de interação social sem o peso da obrigação social (2010: 14).

Pode-se falar, assim, do capital social existente nas relações mediadas por telemóvel, que é criado e reforçado pelo aumento da frequência das interações e do contacto permanente (Ling, 2004), das mensagens SMS que mantêm relações periféricas (Goodman, 2003), e até mesmo da bisbilhotice, a qual reforça a coesão dos grupos (Fox, 2001). Contudo, este diminui quando torna os utilizadores indisponíveis para interações face-a-face. Além disso, ao reforçar a coesão, torna as suas fronteiras menos permeáveis, dividindo a sociedade em grupos fechados (Ling, 2004: 190-192).

No fundo, trata-se de uma ideia também explorada no conceitode atenção parcial contínua descrita por Stone [6],uma vez que afeta a qualidade com que nos entregamos a cada uma das nossas tarefas, ou seja, com menos “compartilhamento da mente” (mind share). Na medida em que estamos focados na identidade, é igualmente afetada a forma como as pessoas pensam acerca das suas vidas e prioridades. Neste sentido, o Eu pode perder o sentido de escolha consciente da comunicação, uma vez que os media estão em background (fundo), sempre em espera (Turkle, 2008: 129).

Há muito tempo que a visibilidade mediática ganhou um valorem si mesma, explica Fidalgo (2007): “O preceito idealista de esse est percipi (ser é ser percebido) converte-se na máxima mediática de que o real é o noticiado” (ibid: 2). O lado mais “democrático” e a diferença entre os meios anteriores e os chamados sociais (Web 2.0 e/ou 3.0) estariam no facto de que, agora, são os outros quem mais decidem quando e como se chega a essa ribalta de atenção pública, sem prejuízo dos parâmetros de avaliação utilizados por cada plataforma. A economia da atenção, como lembra Fidalgo (ibid: 4), citando Frank (1998), comercializa-se, acumula-se, rende juros, concentra-se, ou então dispersa-se, perde-se etc.

“As informações pessoais são o novo lubrificante da internet e a nova moeda do mundo digital”, alerta a comissária europeia para o consumidor, Meglena Kuneva (2009; Keen, 2012: 87). Neste “princípio vital” que move a publicidade (Gleick, 2011), “a economia global do conhecimento” (Keen, 2012: 87), “onde a corrida para saber o máximo possível sobre você se tornou a batalha central da era dos gigantes de Internet” (Pariser, 2011), assiste-sea uma queda na eficácia do marketing online, cerca de 65%, quando o rastreamento dos utilizadores onlinepassa a ser regulado, explica Tucker (Segupta, 2011).

A transformação das pessoas em mercadoria (Bauman, 2008) ocorre numa sociedade onde “uma curiosa reversão redefiniu essa esfera privada –que se caracterizava pelo direito ao segredo– como esfera que se tornou presa do direito à publicidade. A expropriação foi disfarçada de doação, o arrombamento se faz sob a máscara de emancipação” (Bauman, 2000: 71).

A tecnologia como arquitetura da intimidade (Turkle, 2011) e arquitetura de divulgação (disclosure), permite, no caso da estratégia do Facebook,a modificação da interface em prol da sensação de controlo por parte do utilizador, ainda que com a intenção de que este adicione cada vez mais dados pessoais (Marichal, 2012). O design da plataforma tem, assim, evoluído no sentido do utilizador partilhar cada vez mais conteúdo e tornar-se mais transparente sob o pretexto de que dispõe de um maior controlo sobre esses dados e perfil, ainda que na realidade isto não aconteça.

Exemplos concretos e mais polémicos na violação da privacidade do Facebook são a plataforma ‘Open Graph’, que partilha conteúdos automaticamente (The Washington Post, The Guardian, The Wall Street Journal, The Independent já oferecem ferramentas  para evitar o seu uso) ou o processo de etiquetagem de imagens pela técnica de reconhecimento facial.

O aparecimento e o crescimento de empresas dedicadas a salvaguardar a reputação online refletem a preocupação dos utilizadores em relação à privacidade (84%), sendo que 47% destes reconhecem não interferir a este respeito, de acordo com um estudo da Microsoft de abril de 2013 (Snapp, 2013). O “Direito ao esquecimento” é a proposta da União Europeia que pretende a atribuição de uma data para a expiração dos dados pessoais, devendo esta ser aplicada no contexto específico dos sites de redes sociais.

Um outro avanço é o programa X-Pire [7], desenvolvido pela Universidade de Saarland, na Alemanha, que atribui um prazo de validade às imagens em jpeg veiculadas por meio do navegador Firefox, marcando-as com uma chave codificada. Devemos ainda mencionar a este propósito uma tecnologia desenvolvida na Universidade de Twente (Holanda), que permite que as informações se degradem com o tempo (Heerde, 2010).

Numa análise da tecnologia, Zittrain (2008) propõe uma divisão entre a “generativa” (generative) e a “amarrada” (tethered). A primeira envolve os computadores pessoais e a capacidade dos utilizadores produzirem mudanças espontâneas. Por exemplo, num computador, qualquer pessoa pode programar, executar esses códigos numa variedade de plataformas e partilhá-los. Em geral, as tecnologias geradoras são úteis para a realização de tarefas, são adaptáveis, fáceis de dominar e não necessitam de permissão. No entanto, em nome da segurança dos consumidores, o autor considera que nos temos afastado das tecnologias geradoras, como o PC, e adotado as “amarradas”, como o iPhone ou o TiVo.

As “amarradas” são portanto não “generativas”, ou seja, não têm a capacidade de produzir uma mudança impulsionada pelos utilizadores, o que quer dizer que o consumidor deve utilizar o produto de acordo com as normas do fabricante. Assim, elas não são adaptáveis, nem acessíveis, nem mesmo fáceis de dominar. No entanto, o autor acrescenta, para nossa surpresa, que: “Não há nenhum problema com estas tecnologias”; reduzem a capacidade de inovação e de criação por parte dos utilizadores –o que, consideramos, é um aspeto importante.

 2.2. Extensão externa

Esta dimensão descreve a alteração na capacidade funcional de realização de tarefas, uma vez que, frequentemente, deixa-se de mapear adequadamente as funções humanas  (capacidades cognitivas, fisiológicas e físicas) de acordo com os requerimentos de desempenho dos sistemas ou dispositivos (Cooper et al., 2008).

Stald (2008), num estudo focado em jovens, identidade e comunicação móvel, apresenta o conceito de “identidade móvel”, caracterizado principalmente pela “fluidez de identidade” –constantemente a negociar– baseada em quatro eixos: 1) disponibilidade; 2) experiência da presença – presença social no espaço público sendo invadida por comunicação móvel em curso;3) log pessoal para atividades, redes e comunicação de experiências – um papel que tem implicações tanto para as relações entre o indivíduo eo grupo, como para a experiência emocional; 4) aprendizagem das normas sociais.

Neste contexto das funções comunicacionais, Jin Park (2011), no seu estudo, analisa três dimensões do impacto da literacia digital nos comportamentos relacionados com a privacidade on-line: a) familiaridade com os aspetos técnicos da Internet, b) consciência dos aspetos institucionais comuns e c) compreensão da atual política de privacidade. As análises mostraram uma poderosa capacidade de previsão de conhecimento do utilizador; porém, os resultados foram mistos quando representando a interação entre o conhecimento e experiências na Internet.Havia limitações nas extensões de conhecimento e ação relacionadas com a informação personalizada.Além disso, essas limitações estão divididas por características sociodemográficas, tais como: idade, sexo, renda e educação.O estudo demonstra a presença de uma fratura digital de segundo nível na privacidade na Internet, além do nível de acesso – ambos fortemente condicionados pela prioridade temporal.

Importa, neste sentido, regressar a uma outra característica das comunicações móveis, que está relacionada com a forma como estes meios dão ao indivíduo a possibilidade de transformar o tempo "improdutivo" da vida quotidiana em "produtivo", “(...), consciente da contingência da vida contemporânea e do risco de dispersão, tentando portanto criar âncoras” (Isabella, 2009: 7).

O estado de contacto permanente (Katz, Aakhus, 2002) possibilita que as pessoas recriem uma rede de proteção semelhante à das sociedades tradicionais (Isabella, 2009: 7), onde as pessoas mantêm uma intimidade nómada dentro dum sistema social menos baseado na localização e maisnelas próprias, podendo assim permanecer num contacto em movimento (Fortunaty, 2002). “This create a kind of nomadic intimacy in which the public space is no longer a full itinerary, lived in all its aspects, stimuli and prospects, but is kept in the background of an itinerant ‘celular intimacy’” (Ibidem).

Lembrando Goffman (1959), a vida quotidiana é como uma performance, onde as pessoas se movem entre o palco e os bastidores, entre público e privado. Celebrar a integração das comunicações remotas no fluxo da vida pode estar a subestimar a importância das interações face-a-face (Mazmanian, 2005), além de minar os rituais tradicionais de separação nas diferentes esferas da vida (Turkle, 2008: 128). O facto de ter uma página pessoal numa rede social parece legitimar a existência em si mesma.Todavia, esta visibilidade perante uma determinada comunidade requer muito tempo e cuidado (Isabella, 2009: 6).

Meyrowitz, em No Sense of Place, (1985) já descrevia como os media eletrónicos sobrepõem as diversas esferas sociais que antes eram distintas. Partindo das teses de Goffman e McLuhan, apontou o que considera serem os pontos fortes e fracos de cada um e como são complementares: Goffman concentra-se apenas no estudo da interação face-a-face e ignora a influência e os efeitos dos media sobre as variáveis que ele descreve; McLuhan incide sobre os efeitos dos media e ignora os aspetos estruturais da interação face-a-face. Para fazer a análise, o autor empregou uma categorização baseada em formas de informação: comunicação vs expressão, discursivo vs apresentação, digital vs analógico; resposta pessoal vs impessoal e imprint (marcar) vs report on (informar sobre).

Nestes processos de comunicação, a pragmática universal de Habermas propõe um modelo de análise que ajuda a estabelecer um ponto de partida interessante e que se encaixa no desenvolvimento observado na retórica clássica (Ethos, Logos e Pathos) nas redes sociais (Berlanga, Garcia, Victoria; 2013).

1p
Fonte: Figalgo, 1998: 108; Habermas, 1984, 1987.

2p
Fonte: Figalgo, 1998: 114; Habermas, 1984, 1987.

3p
Fonte: Figalgo, 1998: 118; Habermas, 1984, 1987.

No contexto atual, as estruturas de distribuição de conteúdos, explica Aguado (2013: 10), como o conceito de aplicativo (ou app) e a sua integração em repositórios de acesso hierárquico são a base de um modelo de distribuição concebido no início da indústria da mobilidade, consolidada a partir da difusão massiva de smartphones e tablets. As rotinas de consumo – como, por exemplo o armazenamento na nuvem, a sincronização entre os distintos dispositivos (coordenar a experiência e a sequência de utilização), bem como a omnipresença e portabilidade –colocam os dispositivos móveis no centro de gravidade do consumo multi-ecrãs (ibid: 13).

Assim, a relação entre a ciência e a sociedade, quanto à evolução, é descrita, por Levison em Cellphone (2004), como uma competição entre os meios para captar a nossa atenção. Sobrevivem aqueles que melhor atendem às nossas necessidades, como descreve Streeck (2013) quando compara os argumentos de Monsen e Downs (1971) em relação à transição “de uma economia de atendimento das necessidades para outra de atendimento dos desejos; de um mercado centrado no vendedor para um mercado centrado no comprador”.

2.3. Interações interpessoais

Estas interações descrevem a forma como a intimidade tecnológica afeta aqueles que interagem com o utilizador principal e com a sua tecnologia. Em qualquer relacionamento há um desenvolvimento da confiança entre duas entidades (Hancock et al. 2011). Esta tecnologia torna-se parte integrante no tecido da pessoa e a pessoa torna-se uma só com a tecnologia. Para realizar essa tarefa, as entidades têm, no entanto, de se ajustar mutuamente de uma forma em que se complementem, criando assim o que poderia ser considerada a intimidade dentro de um indivíduo (Hancock & Hancock, 2009; Moravec, 1988).

“A partir del ecosistema de la movilidad, el contenido es el médio”, parafraseia Aguado (2013) McLuhan, ao procurar descrever o choque atual entre o ecossistema de hardware/software e os meios de comunicação, num novo contexto em que as relações sociais dos utilizadores e as contribuições sobre a mobilidade (sync, omnipresença e identidade) redefinem radicalmente a dinâmica do consumo do conteúdo cultural. Esta realidade produz também uma mudança no paradigma publicitário, dado que na economia digital da abundância, com um inventário de formatos e possibilidades praticamente ilimitado, o ponto de referência é a audiência e já não o suporte. A exposição (paradigma da publicidade tipo “display” baseado na predominância do suporte) é substituída pela ação (redes sociais, recomendação, exploração, engagement, ...) (Varela, 2012).

Como refere Arendt (1997),“só a ação é prerrogativa exclusiva do homem; nem um animal nem um deus é capaz de ação, e só a ação depende inteiramente da constante presença de outros” (ibid: 31). A autora explica como, na criação de um mundo comum, a realidade não é garantida pela "natureza comum" dos homens, mas pelo facto de todos estarem interessados no mesmo assunto:

“Nas condições de um mundo comum, a realidade não é garantida pela ‘natureza comum’ de todos os homens que o constituem, mas sobretudo pelo fato de que, a despeito de diferenças de posição e da resultante variedade de perspectivas, todos estão sempre interessados no mesmo objeto. Quando já não se pode discernir a mesma identidade do objeto, nenhuma natureza humana comum, e muito menos o conformismo artificial de uma sociedade de massas, pode evitar a destruição do mundo comum, que é geralmente precedida pela destruição dos muitos aspectos nos quais ele se apresenta à pluralidade humana” (ibid: 67).

Na destruição deste mundo comum, o homem é um prisioneiro da subjetividade da sua própria existência única, da sua perspetiva particular:

“Em ambos os casos, os homens tornam-se seres inteiramente privados, isto é, privados de ver ou ouvir os outros e privados de ser vistos e ouvidos por eles. São todos prisioneiros da subjetividade de sua própria existência singular, que continua a ser singular ainda que a mesma experiência seja multiplicada inúmeras vezes. O mundo comum acaba quando é visto somente sob um aspecto e só Ihe permite uma perspectiva” (ibid: 67-68).

Assim, a quase omnipresença da computação portátil e das tecnologias móveis permitiram a comunicação de voz, mensagens de texto, email. O acesso à web fez da conetividade um lugar comum, como explica Turkle (2008), que descreve a nossa experiência com os computadores –programáveis e personalizáveis– como um Second Self, mas que agora entende como um New State of the Self, Itself (Turkle, 2005, 2008).

Neste novo estado on/offline é o Tethered [8] Self, “psychologically tuned to the connections that matter” (ibid: 122),no qual já não há necessidade de esconder a electronic co-presence. Pelo contrário, ela é um símbolo de importância. A autora explica também como, nestes tempos em que estamos inseguros em relação aos nossos relacionamentos e ansiosos quanto à nossa intimidade, olhamos para a tecnologia com o intuito de aí encontrarmos novas maneiras de nos relacionarmos e, ao mesmo tempo, de nos protegermos (Turkle, 2011: xii).

Nesses ambientes virtuais, a holding power (detentores do poder) oferece oportunidades de explorar a identidade, “it is not exact to think of people as tethered to their devices. People are tethered to the gratifications offered by their online selves” (ibid: 125). Assim, a tecnologia não produz um novo estilo de relacionamento, ainda que o permita, mesmo que condicionado pela velocidade e pela brevidade.

“At the moment of having a thought of feeling, one can have it validated. Or, one may need to have it validated. And further down a continuum of dependency, as thought or feeling is being formed, it may need validation to become established. The technology does not cause a new style of relating, but enables it. (...) High technology, with all its potential range and richness, has been put at the service of telegraphic speed and brevity” (ibid: 128).

Já Ling (2008), com base nos trabalhos de Durkheim, Goffman e Collins e na metodologia de Höfflich e Meyrowitz, conclui que o telemóvel, multidimensional, gera uma interação mediada que ocupa o mesmo lugar, se não inclusivamente uma posiçãosuperior, nas mentes dos indivíduos (ibid: 168). Os própios rituais de interação podem desenvolver-se em interações exclusivamente mediadas, e os rituais sociais de micro-nível podem ser cunhados por meio das interações mediadas (ibid: 170).

Fortunati (2005: 5) concluiu anteriormente que teríamos uma comunicação corpo-a-corpo menos frequente, sem a ajuda de tecnologias de comunicação. “Temos sido forçados a utilizar todos os modos de comunicação artificial para tornar possível, manter vivo, desenvolver ou iniciar os nossos momentos de comunicação corpo-a-corpo". A autora enfatiza que, para que o ambiente comunicativo seja compreendido, devemos entender como a sociabilidade e a esfera da reprodução dos indivíduos funcionam.

Neste sentido, Ling descreve como os encontros rituais focados podem ser espontâneos, institucionalizados, expansivos ou discretos e como as nossas interações se articulam entre discórdia e ordem, lembrando que a ignorância do estado do outro cria ansiedade (Goffman) –e o telemóvel realça este assunto (2008: 173). A utilização do dispositivo coloca-nos num limbo social, no qual os outros estão impossibilitados de nos dizer qual é o nosso verdadeiro estado.

Assim, devemos concentrar-nos nas nossas linhas de ação, para que os outros saibam o que estamos a fazer. O nosso status social enquanto indivíduos obriga-nos a mostrar aos outros o quanto abertos ou fechados somos (ibid: 174). A interação mediada, composta pelo seu ritual de foco mútuo e atenção permanente, o sentimento de pertença, o sentido de solidariedade, a inclusão simbólica e revitalização do grupo podem ajudar a apoiar e a manter a interação social (ibidem).

“A grande revolução social dos últimos anos não foi nenhum grandioso acontecimento político, mas sim o modo como o nosso mundo social foi redefinido por sites de relacionamento como o Facebook, Myspace ou Bebo”, indica Dunbar (Keen, 2012: 182) para explicar “o número Dunbar” (Dunbar, 2010: 21). De acordo com este, conseguimos lembrar-nos de 150 indivíduos ou acompanhar as relações provenientes desse número; constitui, portanto, o nosso círculo social ideal, para o qual nós, como espécie, fomos concebidos.

Um relatório do Pew Research Centeraferiu que o utilizador típico do Facebook tem 229 amigos (com uma média de 7% que nunca conheceu) e possui mais “relações íntimas” –de acordo com a sua perceção– do que o estado-unidense médio (Hampton, Sessions, Rainie, Purcell; 2011). Já os estudos de Turkle (2008, 2011) refletem uma preocupação particular em relação à fragilidade dos laços que são estabelecidos e à sua insuficiência emocional.

Importa ainda referir, no que diz respeito ao tempo de lazer dos jovens, definidos como sociais, locais, móveis, digitais e capazes de gerir eficientemente a tecnologia, as conclusões de Viñals (2013). A autora explica como as preferências de entretenimento digital, a comunicação, a socialização e o entretenimento são concebidos como instrumentos de prazer e como passatempo de um modo trivial, atendendo à ausência de formação específica que ajudaria a promover o desenvolvimento pessoal e social.

2.4. Reflexo societal

Este reflexo diz respeito ao modo como a sociedade vê a intimidade tecnológica e os seus efeitos sobre o indivíduo. Ou seja, trata-se da forma como a tecnologia se torna mais interligada com o nosso ser, como as nossas relações humanas qua humanas se tornam mediadas por máquinas e tecnologia. Os indivíduos estavam habituados a ver a interface como o elemento que fornecia a essência para as condições da fronteira. No entanto, quanto mais eficaz for a interface, menos visível se torna e menos se percebe esse limite. Neste sentido, perante a dificuldade de interpenetração da mente e da máquina, surge a necessidade de uma interface reconhecida (Boyce, Hancock, 2012: 182).

Na proposta de Kaplan e Haenlein (2010), para definir e classificar os Social Media ligados à Web 2.0 e ao conteúdo gerado pelo utilizador, são identificados dois elementos essenciais: pesquisa dos media (presença social e riqueza dos media) e processos sociais (a auto-apresentação e a auto-revelação).

A Teoria da Presença (Short, Williams, Christie,1976) sugere que os media diferem em graus de presença social –definida como o contacto acústico, visual e físico que pode ser alcançado– entre os parceiros da comunicação. A presença social é, assim, influenciada pela intimidade (interpessoal vs mediada) e pela rapidez (assíncrona vs síncrona) do meio. Quanto maior for a presença social, maior a influência que os parceiros da comunicação têm sobre o comportamento do outro.

Já a teoria da riqueza dos media (Daft, Lengel, 1986) parte do pressuposto de que o objetivo de toda a comunicação é a resolução da ambiguidade e a redução da incerteza, no sentido em que esta diz respeito à quantidade de informação a ser transmitida num determinado intervalo de tempo. Em qualquer tipo de interação social, as pessoas desejam verificar as impressões que outras pessoas formam delas (o conceito de auto-apresentação de Goffman, 1959), o que também acontece no caso das páginas web em que os indivíduos procuram apresentar-se (Schau e Gilly, 2003) por intermédio da auto-revelação.

Nesta “personal communication society”, como descrevem Campbell e Jin Park (2008), em que se evidenciam várias áreas-chave de mudança social – incluindo o significado simbólico da tecnologia, as novas formas de coordenação e as redes sociais, a personalização de espaços públicos e a cultura jovem mobile –, “o próprio ato de usar um telemóvel envolve a contratação simultânea com mais sentidos do que os que usamos para outros dispositivos computacionais, porque temos de tocar, ouvir e ver através do telemóvel a fim de manter contacto com nossos amigos”, explica Vincent (2005).

Essa integração com os sentidos e o apego corpóreo abre novas formas de apego emocional e possibilidades de representação simbólica do Eu (ibid: 373), constituindo-se o indivíduo como um “portal” (Wellman, 2001: 238) e a câmara do telemóvel um dos dispositivos centrais da nossa vida (David, 2010: 96).

A difusão de tecnologia de comunicação móvel contribui substancialmente para a propagação dos fluxos de espaço e tempo atemporal nas estruturas da nossa vida quotidiana (Castells etal., 2007: 171). Campbell e Jin Park consideram que, mais do que a privatização, devemos falar de personalização do espaço público (2008: 378).

Já Ling e Yttri (2002) e Taylor e Harper (2001) distinguem entre insiders e outsiders (incluídos-excluídos) para se referirem aos membros que integram um grupo na rede e às suas fronteiras. Licoppe (2003) descreve, por sua vez, o tipo de connected presence (“presença conectada”), em que os pares são constantemente atualizados em relação à situação do outro. Assim, Campbell e Yong Jin (2008: 379) acrescentam que as comunicações móveis não só personalizam o espaço público, mas também personalizam a experiência comunitária de estar nesse lugar.

A “hyper-coordination” (Ling e Yttri, 2001), que Rheingold (2008: 226) denomina “Smart Mobs” quando trata diferentes casos de ação coletiva política, destaca-se pelo sentimento de estar presente (“It felt like being there”) dos utilizadores remotos (ibid: 234). O autor conclui que a rápida adoção dos meios de comunicação multimédia deu origem a variadas formas de experiências sociais espontâneas. Na esfera política, os poderes de persuasão, organização e coordenação foram democratizados em todo o mundo pela disponibilidade dos telemóveis e mensagens de texto (ibid: 236). E acrescenta que a pergunta mais importante sobre o futuro e o aumento da ação coletiva refere-se a sermos capazes de distinguir entre informações confiáveis e informações enganosas, falsas e sem fontes (ibid: 237) –ou não sermos.

Neste contexto, Humphreys (2005) identifica, com base na observação, diferentes modificações, inovações e violações da utilização dos telemóveis relativamente aos códigos tácitos de interações sociais: cross talk, listening in, dual front interaction, three way interaction, caller hegemony, disruption of hegemony and maintenance of hegemony. A estas dimensões, Jeffery (2008) adiciona, numa perspetiva filosófica, sociológica e política, a importância de concentrar os eixos da análise nos conceitos de comunidade, autoridade, domesticação e etiqueta, bem como de espaço.

Um espaço que muda mediante a utilização dos dispositivos móveis, onde se observa especificamente uma privatização do espaço público (Lasen, 2001) –a tendência para as conversas privadas acabarem no espaço público–, na medida em que o telemóvel corresponde a um espaço privado virtual que acompanha sempre o seu utilizador.

Por isso, é interessante refletir sobre a proposta de Baghai (2012), que examina a privacidade na fronteira dos sistemas sociais diferenciados: sistema de referência de eventos e relevância funcional da comunicação. Baseando-se em Durkheim, Simmel e Luhmann, expõe os motivos do caráter polissémico da privacidade e da sua determinação na diferenciação funcional dos sistemas de comunicação social.

Neste âmbito, Fathi (2011) distingue como principais áreas: perspetiva da segurança, autenticação contra representação, fuga de esquemas resilientes, identidade baseada na criptografia para a privacidade, anonimato para a privacidade, recuperação da informação privada para a privacidade e confiança –“a comunicação electrónica é um meio pelo qual a própria ideia de vida pública foi eliminada” (Sennett, 1974: 282)–“.

As análises [9] da lei e da política de privacidade e as ações mais comuns dos utilizadores das redes sociais, recorrendoao Facebook como principal exemplo, revelaram uma plataforma socialmente atraente que permite as violações da privacidade peer-to-peer, em que os utilizadores lesam os interesses de privacidade uns dos outros. No entanto, Grimmelmann (2008) considera que os inquéritos são inúteis uma vez que não conseguem envolver aspetos fundamentais, entre saber como e por que é que as pessoas utilizam os sites de redes sociais.

Os diferentes estudos realizados com jovens e plataformas de redes sociais, por meio de grupos fechados e entrevistas, mostram como estes sabem gerir cada vez melhor o seu perfil e a privacidade, apesar de abdicarem dela no sentido de alcançarem maior popularidade e prestígio quanto ao perfil idealizado que eles pretendem. No caso do Facebook, as expetativas em relação à plataforma são escassas e os inquiridos admitem um nível elevado de violação da privacidade na partilha de informação. A sua noção de privado está cada vez mais ligada ao controlo sobre quem tem acesso e não sobre a quantidade de informação disponibilizada.

Contudo, observa-se um decréscimo na utilização do Facebook em relação ao Twitter e ao Instagram, plataformas que os jovens estão a utilizar com maior frequência, aumentando a quantidade de informação que aí partilham sem se preocuparem excessivamente com as questões de privacidade. Interessante é perceber ainda que são, agora, os adultos quem mais utilizam o Facebook, o que também pode ajudar a explicar a saída dos jovens deste site.

Neste contexto, devemos também mencionar o Google+ (Brett, 2013) entendido como um segundo site de rede social, construído por redes de amigos chamadas “círculos”, que seguem o padrão de privacidade e não de abertura. “Depois dos fiascos de publicidade e mercado de Buzz e Wave, Google parece ter aprendido que o público não quer redes plenamente transparentes, transmitindo dados para o mundo inteiro” (Keen, 2012: 178). Keen e Hoffman, num debate sobre o futuro (Keen, 2012: 153), questionam em que medida as comunidades dos Social Media vão substituir o Estado-nação como fonte de identidade pessoal no século XXI.

3. Conclusões

O ser humano como portal de comunicaçãodefine-se, em cada momento, pela sua atitude e forma de se relacionar com o ambiente circundante, as esferas públicas e privadas e a sua participação no comum. Alteradas as coordenadas dimensionais de tempo e espaço, o homem torna-se o gestor dessas esferas. Uma mesma ação pode ser considerada pública ou privada no mesmo espaço físico. Dasein, de Heidegger, em Space of Flows, e Timesless Time, de Castells, conduzem a relação de existir, produzindo espacialização num espaço que flui e um tempo condicionado pelo Perpetual Contact de Aakhus e Katz.

As tecnologias Generative ou Tethered permitem maior liberdade de “criação e inovação” ou menor abertura "no interesse da segurança", explicam os empresários da área. Confrontamo-nos com um mercado onde o conteúdo é o meio e o consumidor o centro, as suas informações pessoais a mercadoria e as aplicações o novo pacote de apresentação, no qual nos lembramos de Information Anxietyde Wurman, e da importância da literacia digital para a gestão da informação e das plataformas.

A partir da análise polissémica do conceito de privacidade –de acordo com as estruturas de comunicação e as suas funções, proposto por Baghai–, da metodologia na categorização dos media que Meyrowitz aplicou para diferenciá-los relativamente à chegada dos eletrónicos e da semelhança que podemos estabelecer entre os cafés do século XIX de Habermas e a Sociedade em Rede na conquista do poder, a dicotomia entre o que é voluntário e não tornou-se um elemento primordial na transposição da nossa identidade para os possíveis perfis na rede.

A ligação emocional da interação pessoa-máquina com o telemóvel (affective computing) reflete a união com o dispositivo e o seu efeito amplificador em todos os âmbitos que engloba: a configuração do perfil e a comunicação. Sempre que surge uma nova tecnologia, os parâmetros de resposta também se alteram em consonância com o grau de exposição dos diversos estudos apresentados. A diferença fundamental estaria no facto de o utilizador ser o espaço físico, o nó inicial, de onde tudo parte e regressa para uma gestão contínua.

A categorização proposta por Habermas e a sua pragmática universal ajuda a definiro ponto de partida para uma análise da comunicação humana,na qual se pode observar um desenvolvimento da retórica clássica (Ethos, Logos e Pathos) nas redes sociais. Os três aspetos propostos por Habermas –ou seja, a teoria da frase elementar, daexpressão intencional e dos atos de elocução, enquadrados no modelo comunicacional, no qual se dividem os domínios e os modos de referência a essa realidade, as pretensões implícitas e as funções dos atos de fala– combinam-se com as quatro dimensões descritas no conceito de intimidade tecnológica e configuram uma proposta de análise.

Esta primeira aproximação permite considerar as seguintes questões para futuro aprofundamento numa perspetiva de delimitação do que é público e privado: Será que a amplificação dascapacidades humanas, que ficam diluídas nas dimensões espaço-tempo e num contínuo fluxo de dados, alteram a transposição da parte da identidade para os possíveis perfis? São estas mudanças conscientes e voluntárias? Como se pode controlar uma tecnologia quepermitefluir assim?

Por outro lado, surgiram novas coordenadas e dimensões na delimitação da comunicação? E os aspetos da sua análise, assim como os modos e modelos comunicacionais? É possível alcançarum nível profundo de interação com pessoas com as quais nunca nos encontraremos?

E, finalmente, será o equilíbrioentre autenticidade e anonimato, funcionalidade e privacidade o que delimitará as esferas públicas e privadas? Ou está-se perante um jogo entre obscuridade e hipervisibilidade, que permite alcançar a ribalta de atenção? Qual será o alcance do espaço comum?

Neste sentido, e tendo em consideração a importância da prioridade temporal como variável, propõe-se a análise dos conceitos de espacialização, perfil e voluntariedade numa perspetiva que situe o ser humano no centro, isto é, como portal de comunicação.

*Public and Private in Mobile Communications’. Projecto de investigação financiado pela União Europeia através da Comissão Diretiva do Programa Operacional Regional do Centro (Mais Centro). CENTRO-07-ST24-FEDER-002017. Início do projecto: Abril de 2013. Final do projecto: Abril de 2015.

Agradecimentos aos bolseiros do projeto Ricardo Morais e Ana Isabel Albuquerque, pela ajuda na escrita da versão portuguesa http://www.labcom.ubi.pt/sub/pag/public_and_private_in_mobile_communications

4. Bibliografía

A Fidalgo (1998): Semiótica: A lógica da comunicação. Estudos em comunicação. Universidade da Beira Interior.

A Fidalgo (2007): “A falácia da visibilidade. Visibilidade e Identidade no tempo dos Media”. BOC. Universidade da Beira Interior.

A Giddens (1990): The Consequences of Modernity. Cambridge: Polity Publisher.

A Keen (2012): Vertigem Digital: Por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando. Zahar: Rio de Janeiro.

AM Kaplan, M Haenlein (2010): “Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media”. ScienceDirect: Elsevier.

A Lemos “Espaço, mídia locativa e teoria ator-rede”. Galaxia (São Paulo, Online), n. 25, p. 52-65, jun. 2013.

A Lenhart, K Purcell, A Smith, K Zickuhr (2010): “Social Media and Young Adults”. Pew Internet and American Life Project. [link]  (20.07.2013).

A Taylor, H Richard (2001): “Talking Activity: Young People and Mobile Phones”. Seattle, WA. Paper presented at the CHI 2001 Workshop: Mobile Communications: Understanding Users, Adoption, and Design. April 2001.

A Viñals Blanco (2013): “Las redes sociales virtuales como  espacios de ocio digital”. Fonseca Journal of Communication.

B Wellman (2001): “Physical Place and Cyberplace: The Rise of Personalized Networking”. International Journal of Urban and Regional Research, 25 : 227–52.

Brett (2013): “Social platforms GWI.8 Update: Decline of Local Social Media Platforms”. Global Web Index. [link] (20/07/2013)

B Jeffery (2008): “Mobile Communications and the Public/Private Dichotomy” (pp. 5-23). Ross, K. and Price, S. (eds) Popular Media and Communication: Essays on Publics, Practices and Processes. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing.

C De Terwangne (2012): «Privacidad en Internet y el derecho a ser olvidado/derecho al olvido». VII Congreso Internacional Internet, Derecho y Política. Neutralidad de la red y otros retos para  el futuro de Internet.[monográfico en línea]. IDP. Revista de Internet, Derecho y Política. N.º 13,  pág. 53-66. UOC. [link] (20.07.2013).

C Licoppe (2003): “Two Modes of Main taining Interpersonal Relations through Telephone: From the Domestic to the Mobile Phone”. Pp. 171–86 J Katz James. Machines That Become Us: The Social Context of Communication Technology, New Brunswick, NJ: Transaction Publishers.

E Goffman (1959): The presentation of Self in everyday life. Garden City. New York. /(1993): A Apresentação do Eu na Vida de Todos os Dias. Lisboa: Relógio d’Água.

E Pariser (2011): The Filter Bubble: What the Internet Is Hiding from You. Penguin Press: New York.

F Stutzman, R Gross, A Acquisti (2012): “Silent listeners: The Evolution of Privacy and Disclosure on Facebook”. Journal of Privacy and Confidentiality. 4, Number 2, 7-41.

G Bateson (1979): Espíritu y naturaleza: una unidad necesaria (avances en teoría de sistemas, complejidad y ciencias humanas).Bantam Books.

G Bateson (1991): Una unidad sagrada: nuevos pasos hacia una ecología de la mente.Harper Collins Pub.

G David (2010): “Camera phone images, videos and live streaming: a contemporary visual trend”. Visual Studies, 25: 1, 89-98.

G Frank (1998): Okonomie der Aufmerksamkeit. Munchen: Hanser Veriag.

G Myerson (2001): Heidegger, Habermas and the Mobile Phone. Cambridge:  Icon Books

H Arendt (1997): A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

H Fathi (2011): “Security and Privacy Challenges in Globalized Wireless Communications”.  R Prasad et al. (eds.) Globalization of Mobile and Wireless Communications: Today and in 2020, Signals and Communication Technology.

Hv Heerde (2010): Privacy-aware data management by means of data degradation. Making private date less sensitive over time. Ph.D Dissertation. Universidade de Twente e Universidade de Versailles Saint-Quentin-En-Yvelines. Consulta: 8 junho 2013. URL [link] (20.07.2013)

H Moravec (1988): Mind children: The future of robot and human intelligence. Cambridge, MA: Harvard University Press.

H Rheingold (2008): “Mobile Media and Political Collective Action”. Katz, J (ed.). Handbook of Mobile Communication. Cambridge: MIT Press.

I Berlanga, F García, JS Victoria (2013): “Ethos, pathos y logos en Facebook. El usuario de redes: Nuevo “rétor” del S. XXI”. Comunicar. 01.07. 2013.

JE Katz, M Aakhus (Eds.) (2002): Perpetual Contact. Mobile Communication, Private Talk, Public Performance. Cambridge: Cambridge University Press.

JE Katz (2008): “Mainstreamed Mobiles in Daily Life: Perspectives and Prospects”. Katz, Castells. Handbook of Mobile Communication Studies. Cambridge: MIT Press.

JM Aguado (2013): “La industria del contenido en la era Post-PC: Horixontes, amenazas y oportunidades”. J Canavilhas (org.) Notícias e Mobilidade.BOC, Universidade da Beira Interior.

J Gleick (2011): The Information: A History, a Theory, a Flood. New York: Pantheon Books.

J Goodman (2003): «Mobile Telephones and Social Capital in Poland». Digital Europe: ebusiness and sustainable development, Forum for the Future.

J Grimmelmann (2008): Facebook and the Social Dynamics of Privacy. Draft, August 25, 2008. [link]  (20.07.2013)

J Habermas (1984): Ciencia y técnica como ideología. Madrid: Tecnos.

J Habermas (1987): Teoría de la acción comunicativa, 2 vols. Madrid: Taurus.

J Marichal (2012): Facebook Democracy. The Architecture of Disclosure and the Threat to Public Life. United Kingdom: Ashgate.

J Meyrowitz (1985): No Sense of Place: The Impact of Electronic Media on Social Behavior. New York: Oxford University.

J Short, E Williams, B Christie (1976): The Social Psychology of Telecommunications. Hobokem, NJ: John Wiley & Sons, Ltd.

J Varela (2012) “Líderes en consumo, últimos en negocio”. Periodistas21. [link]  (Consulta 20.07.2013):

J Vincent (2005): “Emotional Attachment and Mobile Phones.” Pp. 117–22. Glotz, Peter; Bertschi, Stephan; Locke, Chris. New Brunswick (eds.), Thumb Culture: The Meaning of Mobile Phones for Society, NJ: Transaction Publishers.

J Zittrain (2008): The future of the Internet: An How to Stop it.Yale University Press: New Haven & London.

K Baghai 2012): “Privacy as a Human Right: A Sociological Theory”. Sociology. Sage.

K Fox (2001): Evolution, Alineation and Gossip: the role of mobile telecommunications in the 21st Century. Oxford: Social Issues Research Center.

KN Hampton, L Sessions Goulet, L Rainie, K Purcell (2011): “Social networking sites and our lives: how people’s trust, personal relationships, and civic and political involvement are connected to their use of social networking sites and other technologies”. Pew Internet & American Life Project, 16 June.

L Creszenci, N Arauna, I Tortajada (2013): “Privacy, self-disclosure ans self-image of Spanish teenagers on social networking sites. The case of Fotolog”. Communication and Society, Vol.XXVI, nº2. 65-78.

L Fortunati (2002): "The Mobile Phone: Towards New Categories and Social Relations". Information, Communication, and Society, 514-528.

L Fortunati (2005): “Is Body-to-Body Communication Still the Prototype?”. The Information Society. Taylor & Francis. 21: 53–61.

L Humphreys (2005): “Cellphones in public: social interactions in a wireless era”. New Media and Society: Sage, December.

L Rainie, A Smith, M Duggan (2013): “Coming and Going on Facebook”. Pew Internet & American Life Project. [link] (20.07.2013).

M Castells, M Fernandez-Ardevol, J Linchuan Qiu, S Araba (2007): Mobile Communication and Society: A Global Perspective. Cambridge, MA: MIT Press.

M Castells (2008): “Afterword”. Katz, Castells (eds.). Handbook of Mobile Communication Studies. Cambridge, MA: MIT Press.

M Kuneva (2009): "Online Data Collection, Targeting and Profiling for Commercial Purposes in Online Environments". Extracts from the keynote speech and statement by Meglena KUNEVA, European Commissioner for Consumer protection. 31.3.2009. [link] (20.07.2013)

M Madden, A Lenhart, S Cortesi, U Gasser, M Duggan, A Smith (2013): “Teens, Social Media, and Privacy”. Pew Internet & American Life Project. [link]  (20.07.2013)

M Madejski, ML Johnson, SM Bellovin (2011): “The Failure of Online Social Network Privacy Settings”. Columbia University Computer Science Technical Reports. Department of Computer Science, Columbia University. [link]  (20.07.2013)

M Mazmanian (2005): Some thoughts on blackberries. Memo.

M Snapp (2013): “Minding the privacy gap”.Microsoft on the Issues. 13 May 2013. [link] URL [http://blogs.technet.com/b/microsoft_on_the_issues/]. (20.07.2013)

MW Boyce, PA Hancock (2012): “The Interpenetration of Mind and Machine”. Proceedings of the Human Factors and Ergonomics Society Annual Meeting. September 2012, vol. 56, no. 1, 178-182.

NS Baron (2008): “Adjusting the Volume: Technology and Multitasking in Discourse Control”. Katz, Castells. Handbook of Mobile Communication Studies. Cambridge: MIT Press.

N Elias (1980): Introdução à sociología. Edições 70: Lisboa.

PA Hancock; GM Hancock (2009): “The moulding and melding of mind
and machine”. The Ergonomist, 464, 12-13.

PA Hancock, DR Billings, KE Schaefer (2011): “Can you trust your robot?”. Ergonomics in Design, 19(3), 24-29.

PA Hancock, DR Billings, K Olsen, JYC Chen, EJ de Visser, R Parasuraman (2011): “A meta-analysis of factors impacting trust in human-robot interaction”. Human Factors, 53(5), 517-527.

PN Bennett (2011): “Technological intimacy in haemodialysis nursing”. Nursing Inquiry, 18(3), 247-252.

P Levinson (2004): The story of the world’s most mobile medium and how it has transformed everything. New York: Palgrave Macmillan.

RA Cooper, BE Dicianno, B Brewer, E LoPresti, D Ding, R Simpson (2008): “A perspective on intelligent devices and environments in medical rehabilitation”. Medical Engineering & Physics, 30(10), 1387-1398.

RL Daft, RK Lengel (1986): “Organizational information requirements, media richness, and structural design”. Management Science, 32(5), 554-571.

R Dunbar (2010): How Many Friends Does One Person Need? Dunbar’s Number and Other Evolutionary Quirks. Harvard University Press.

RJ Monsen, A Downs (1971): “Public Goods and Private Status”. The Public Interest, Vol 23: 64-77.

R Ling, B. Yttri (2001): “Hyper-coordination via mobile phones in Norway, nobody sits at home and waits for the telephone to ring: Micro and hyper-coordination through the use of mobile telephones”. J Katz, Aakhus. Perpetual Contact. Cambridge: Cambridge University Press.

R Ling (2004): The Mobile Connection: The cell phone´s impact on society. San Francisco: Elsevier.

R Ling (2008): “The Mediation of Ritual Interaction via the Mobile Telephon”. J Katz (ed.). Handbook of Mobile Communication. MIT Press.

RS Wurman (2000): Information Anxiety 2. Pearson Education: Indianapolis.

R Sennett (1974): The Fall of Public Man. Norton.

S Groening (2010): “From a box in the theater of the world’ to the ‘world s your living room’: cellular phones, television and mobile privatization”. New Media & Society. Sage.

S Isabella (2009): “Mobile Phone: Users Practices and Innovations Between Public and Private Sphere”. COST 298 Conference. Participation in the Broadband Society.

S Segupta (2011): “Less Web Tracking Means Less Effective Ads, Researcher Says”. Bits, The New York Times. 15 September 2011.

S Turkle (2005): The Second Self: Computers and the Human Spririt (20th aniversary ed.). Cambridge, Mass: MIT Press.

S Turkle (2008): “Always-On / Always-on-You”: The Tethered Self”. Em: ed. Katz J.E., Handbook of Mobile Communications Studies, Cambridge, Ma: MIT Press, 121-138.

S Turkle (2011): Alone Together: Why we expext more from technology and less from each other.Basic Books: New York

SW Campbell, Y Jin Park (2008): “Social implications of Mobile Telephony: The Rise of Personal Communication Society”. Social Compass: Blackwell Publishing.

TAM Carnegie, SS Fels (2002): “Beyond use: Toward a rhetoric of  technological intimacy”. Technical Communication Quarterly, 11(2), 214.

W Streeck (2013): “O cidadão como consumidor. Considerações sobre a invasão da política pelo mercado”. Piauí, Vol 79, abril 2013. [link] (20.07.2013)

Y Arisaka (1945): “On Heidegger’s Theory of Space: A Critique of Dreyfus”. Inquiry, 38:4. Decembro 1945, 455-467.

Y Jin Park (2011): “Digital Literacy and Privacy Behaviors Online”.Communication Research, Sage. Published 23 August 2011.

Y Liu; KP Gummadi, B Krishnamurthy, A Mislove, (2011) “Analyzing Facebook Privacy Settings: User Expectations vs. Reality”. IMC’11, November 2-4, Berlin, Germany.

Z Bauman (2000): Vida para consumo. A transformação das pessoas em mercadoria. Zahar. Rio de Janeiro.

Z Bauman (2008): Em busca da política. Zahar. Rio de Janeiro.

5. Notas

[1] Telemóvel, Smartphone e Tablet.

[2] Identidade: Ente em relação a um espaço e a um tempo.

[3] Construção de uma imagem pessoal com um fim ou objetivo por intermédio de uma plataforma.

[4] Web pessoal URL [http://www.lindastone.net]

[5] “It was I-alone that was reachable wherever I was: at a house, hotel, office, freeway or mail. Place did not matter, person did. The person has become the portal” (Wellman, 2001).

[6] Definição: URL [http://lindastone.net/qa/continuous-partial-attention/]

[7] Web oficial. URL [http://www.backes-srt.de/]

[8] Tethered:
a)  A restricting rope, chain, etc. By which an animal is tied to a particular spot.
b)  The range of one´s endurance, etc.
c)   At the end of one´s tether, distressed or exasperated to the limit of one´s endurance.

[9] Liu et al. (2011); Madejski, Johnson e Bellovin (2011); Stutzman, Gross e Acquist (2012); Creszenci, Arauna e Tortajada (2013); Lenhart, Kristen, Smith e Zickuhr (2010); Rainie, Smith e Duggan, 2013, Pew Research (2013).

______________________

COMO CITAR ESTE ARTIGO EM BIBLIOGRAFÍAS – HOW TO CITE THIS ARTICLE IN BIBLIOGRAPHIES / REFERENCES:

A Fidalgo, A Serrano Tellería, JR Carvalheiro, J Canavilhas, JC Correia (2013): “O ser humano como portal de comunicação: A construção do perfil no telemóvel”, em Revista Latina de Comunicación Social, 68. http://www.revistalatinacs.org/068/paper/989_Covilha/23_Telleriapo.html
DOI: 10.4185/RLCS-2013-989po


Artigo recebido em 20 de julho de 2013. Submetido a um pré-review em 22 de julho. Enviado aos revisores em 24 de julho. Aceito em 5 de setembro de 2013. As provas disponíveis para os autores em 9 de setembro de 2013. Aprovado por autores: 10 de setembro de 2013. Publicado em 11 de setembro de 2013..

Nota: el DOI es parte de la referencia bibliográfica y ha de ir cuando se cite este artículo.