Revista Latina de Comunicación Social 44 – septiembre de 2001

Edita: LAboratorio de Tecnologías de la Información y Nuevos Análisis de Comunicación Social
Depósito Legal: TF-135-98 / ISSN: 1138-5820
Año 4º – Director: Dr. José Manuel de Pablos Coello, catedrático de Periodismo
Facultad de Ciencias de la Información: Pirámide del Campus de Guajara - Universidad de La Laguna 38200 La Laguna (Tenerife, Canarias; España)
Teléfonos: (34) 922 31 72 31 / 41 - Fax: (34) 922 31 72 54

[julio de 2001]

Flashblack MTV: sem retorno à música negra na família da MTV (1)

(6.945 palabras - 18 páginas)

Paula Rodríguez Marino ©
Brasil

Introdução

Utilizando os aportes de Ida Lúcia Machado e Eliseo Verón –que trabalharam sobre as possibilidades de analizar o suporte televisivo e os seus discursos que ubicam-se em perspectivas diferentes, desde a Semiolingüística, no primeiro caso, e a Semiótica pierciana, no segundo– este trabalho visa apresentar uma análise textual do programa Flashblack, da rede de televisão MTV. Considermam-se enunciados e interações verbais como indicadores das cadeias semanticas e dos significados associados que o programa produz em torno aos conceito de "juventude", "família", "música negra" (hip hop e funk).

O programa Flashblack foi escolhido por tratar-se de um dos tipos de programas da MTV que têm como eixo temático a um gênero musical, por constar com a presença de um apresentador e porque nele aparece a construção de três dos eixos temáticos e enunciativos sobre os que se organizam os discursos da MTV: o conceitos de "família", "juventude" e de "gênero musical". Também, especificamente, no caso de Flashblack, a noção de "música negra" compreendendo funk, hip hop, jazz, rap e soul (2).

De todas formas, não se trataria nunca de uma análise "fechada" ou imanente devido a que os significados não podem ser controlados, nem prever com absoluta certeza quais serão as leituras que as audiências farão apartir deles.

Uma análise textual de um programa televisivo é possível prevendo que neste aparecem múltiplos discursos que circulam socialmente, constituindo um "sistema de representação" social que constrói um conjunto de significados, com certo nível de coerência interna –ou de aparente coerência– sobre um tema ou tópico.

Para efetuar a análise se retomaram alguns conceitos trabalhados pela pesquisadora brasileira Ida Lúcia Machado e provenientes da Análise Semiolingüística dos Discursos de E.T. Hall. Machado estabelece o paralelo entre as angulações de câmara e a proxêmica (3), permitirão analisar alguns aspectos dos signos visuais, o enquadramento e as angulações da câmara e os comportamentos não verbais do VJ (apresentador). O estudo destes aspectos, tornara-se possível incluindo algumas observações feitas por Eliseo Verón respeito do âncora do telejornal e das estratégias para apresentação das informações no discurso jornalístico televisivo.

Apesar de que Verón e Machado trabalham desde perspectivas teóricas muito diferentes, para ambos a importância dos códigos e das convenções sociais é primordial na construção dos discursos sociais, vendo-se estos representados no texto televisivo. Apartir dos códigos sociais se constróem os códigos televisivos, dependendo sempre desse esquema que relaciona as três instâncias: o texto, a indústria e as audiências.

Se considerou pertinente a utilização conjunta destes dois autores para focalizar a problemática dos códigos televisivos é de como a partir deles se articulam os "significados preferenciais".

Para Machado códigos televisivos são constituídos à partir dos códigos sociais de uma que forma internalizados, pelo que sua utilização pelos VJ’s e entrevistados não é uma decisão consciente, mas significa pôr em prática os próprios códigos culturais. Essa relação entre práticas culturais, produtores, texto e audiências, lógicamente também é válida para os códigos televisivos. Esses códigos dos discursos midiáticos são redes de relações entre os produtores, os textos e as audiências, que funcionam como agentes de intertextualidad, através dos quais os textos se interrelacionam em redes de significados que constituem a uma cultura.

A visão de Machado, centra-se na utilização dos códigos televisivos enquadramentos e angulações da câmara. Estes funcionariam estabelecendo o eixo de distâncias interpessoais que representam diferentes graus de "intimidade", já não entre os interlocutores de uma conversação interpessoal mas entre os participantes da comunicação midiática: o apresentador (também âncora sou entrevistador), o entrevistado e os públicos.

As equivalência entre os planos da câmara e a distancia interpessoal vão desde a "distância íntima" –que corresponde ao "primeiro plano"– até a social. O " plano americano" (enquadramento até a cintura) representa a "distância pessoal", a da comunicação cara a cara, que implica uma distância maior que a "íntima" mas que admite, por exemplo, o contato de mãos entre os interlocutores. A "distância social" –que é a imposta por um objeto qualquer entre os interlocutores– teria seu equivalente no "plano médio" (os personagens aparecem de corpo enteiro). È a maior das distâncias –entre o público e o apresentador– é a "distância pública" que se corresponde com o "plano geral" (onde podem se visualizar o cenário e os personagens por completo) (4).

Os tipos de angulação também dão conta dos modos de interpelar ao telespectador (mode of address (5)) como o "ponto de vista dirigido", através do qual o telespectador é interpelado pelo apresentador ou pelo entrevistado que o inscreve na cena comunicativa. Este tipo de ponto de vista é uns dos mais habituais nas entrevistas, como se verá na análise do programa Flashblack. O caso oposto é o "ponto de vista anônimo" onde o telespectador não pode identificar desde que ponto de vista lhe está sendo mostrada a cena. Outro tipo, seria o "ponto de vista surreal" que corresponde a pontos de vista da câmara "atípicos" (plongée ou contra-plongée (6), que fogem do convencional (7). Este último tipo de "pontos de vista" comuns aos avanços, video clips e comerciais da MTV, pretendem recapturar a atenção do telespectador disperso ou dar conta do caráter fictício e "criativo" do texto televisivo.

Se a criação das imagens a través dos planos e dos pontos de vista dão conta das distâncias interpessoais, e do contato visual entre os participante de um processo comunicativo, não deixam de ser indicadores da mobilidade do corpo, do toque para complementar a aproximação ao comportamento não verbal.

È neste sentido, que se tomaram alguns dos trabalhos de Eliseo Verón, que desde a perspectiva da Semiótica preocupa-se em identificar o comportamento corporal do apresentador de televisão com a construção da imagem deste proposta pelo meio. Este autor trabalha sobretudo com a construção do papel do apresentador, que é possível analisar através da gestualidade da personagem em quadro.

Verón, parte da analogia com o "eixo Y-Y" para organizar a análise do comportamento não verbal do apresentador em relação ao telespectador. Quando este apresentador fala diretamente para a câmara, utiliza-se do chamado "eixo Y-Y", que, segundo Eliseo Verón, é o ato de manter um vinculo direto com o telespectador, olhando-o diretamente aos olhos (8). Isto é um recurso usado para "desficcionalizar el discurso", ou seja torná-lo mais real, no momento em que remete à uma situação real de conversação. O "eixo Y-Y", é um recurso utilizado pela televisão, fazendo parte das convenções deste meio quanto ao comportamento dos apresentadores.

Como o "eixo Y-Y", o posicionamento dos VJs na tela confirma as observações de Goodwin quanto ao caráter "tradicional" da linguagem da MTV. Em geral, estes são enquadrados em "plano americano" (da cintura para cima), e detém a chamada "distância pessoal" em relação ao telespectador. Este é o modo mais comum de apresentação na televisão.

Esta posição do apresentador no quadro representa a "distância pessoal" a que se referia Machado, que permite um contato de mãos, e denota um certo distanciamento em relação ao telespectador, caracterizando um nível de proximidade referente a uma situação de interação social normal, sem maiores intimidades (9)

OS VJ’S: APRESENTADORES DA MTV

A MTV é uma emissora de TV a cabo norte-americana, nascida em 1981, que se dedica à apresentação de video clips e de programas de diversos gêneros (talk show, programas de auditório, quiz show, soap operas, informativos, magazines, informativos sobre o show business, entre outros) baseados na música pop, hip hop, rock and roll, funk, soul, heavy methal e rap.

A proposta desta emissora desde o seu início, era a de criar uma linguagem "inovadora" na TV, em termos estéticos e enunciativos, caracterizada pela rapidez e fragmentação da programação.

Tomando o formato inicial da estrutura de programação das rádios FM, a MTV também adotou o papel dos DJ’s radiais na figura dos VJ’s. Eles funcionam na MTV como uma mistura entre o âncora dos telejornais, um apresentador de um programa de entretenimentos e um DJ’s da rádio.

Os VJ’s apresentam os blocos de video clips e os programas de diferentes gêneros narrativos. Os VJ’s ao serem a "face visível" da emissora aparecem como ponto de identificação para o telespectador, e é através deles que, os modos de dirigir-se ao telespectador jovem e as estratégias enunciativas do sinal, se corporizam.

Mas o papel dos VJs é mais amplo do que uma simples busca de identificação junto a audiência. É ele quem representa ao telespectador a parte mais "palpável", mais próxima da comunidade e da cultura da música. Ele é o elo de ligação entre o público e o artista, e é daí que vêm o apelo mais forte, o argumento mais poderoso da MTV.

FLASHBLACK MTV

Esses três traços permitem analisar as modalidades enunciativas que caracterizam ao sinal MTV, diferenciar as características enunciativas de um programa na MTV que aborda um gênero musical específico, diferenciando-se de outros que se enquadram fora do gênero musical, como os programas informativos, os talk shows ou quiz shows.

Ao mesmo tempo, a especificidade temática do programa Flashblack permitiria identificar, com maior precisão, os "significados preferenciais" construídos na MTV e com base no comportamento verbal e não verbal de seus apresentadores.

Para analisar o programa, foram identificados no texto os três eixos de representação já mencionados:

  • A relação de familiaridade que se estabelece entre o apresentador Rodrigo Brandão e os entrevistados, entre os apresentadores, câmaras e outros membros da equipe de produção da própria MTV. Assim como também a "relação de familiriadade" construída entre o apresentador e o telespectador

  • A construção do conceito de Black Music, eixo temático do programa

  • A construção do conceito de juventude, que envolve tanto aos apresentadores da MTV em geral como as audiências.

Estes três eixos foram trabalhados em tabelas constituídas através de exemplos enunciativos tomados do corpus de análise.

O programa Flashblack existe há dois anos na MTV, e é voltado para o público interessado em diversos gêneros da música relacionados com a cultura negra nas últimas décadas. Estes gêneros são pertencentes à chamada "Black Music", que são aqueles que "nasceram" principalmente nos Estados Unidos. Estes são desde o jazz, o blues e o soul, mais tradicionais, até o reggae, o hip hop, o rap, o funk, e todas as possíveis variações e misturas criadas à partir destas bases.

A estrutura do programa está formada por três blocos, divididos em duas partes, na primeira o apresentador faz comentários (no estúdio) à respeito da Black Music, e até pode realizar entrevistas geralmente em estúdio. A segunda parte do programa está dedicada a sucessão de video clips que, a diferencia de outros programas da MTV estão intercalados pelos comentários do apresentador, a respeito das músicas ou dos intérpretes.

Cabe ressaltar que os video clips apresentados durante os três blocos que constituem o programa, não são necessariamente compostos por bandas formadas por artistas negros, nem por músicos que mantenham alguma relação com os gêneros que são tomados "caracteristicamente" como próprios desta etnia.

O apresentador do programa é Rodrigo Brandão, que é tido na emissora como especialista em Black Music. Este fato pode ser facilmente comprovado através de outros programas da emissora, em que Rodrigo faz o papel de consultor quando é colocada alguma questão referente a esse gênero da música; ou nos quais é citado em algum comentário sobre o referido tema.

Uma característica do programa que não é observada em outros programas da MTV, é que geralmente o programa centra-se em um tema específico, relacionado à Black Music, e este difere de uma emissão à outra. Outro fato que é pouco comum na emissora, é que o apresentador transfere para suas atitudes e suas roupas, o tema da emissão, "mimetizando-se" com ele . Um exemplo deste fato ocorre no programa dedicado ao músico Tricky, onde Rodrigo comporta-se de forma mais séria, e mais lenta, parecendo melancólico, e modulando a voz em um tom mais baixo; assim como a estética musical do músico mencionado, remetendo diretamente à ele. Outro fato que claramente liga a apresentador ao programa, é que este, apesar de ser branco, usa os cabelos com dread locks, tipicamente associado aos negros. Assim, mantém-se a identificação de Rodrigo com o programa e com a própria Black Music.

O programa, possui uma "estética" que permite a utilização dos chamados "Pontos de Vista Surreal", que segundo Ida Lúcia Machado, são os pontos de vista atípicos, que fogem do convencional (10). Um exemplo disso é o enquadramento do apresentador descentralizado na tela (na diagonal, à esquerda ou à direita do quadro), que ocorre em algumas emissões do programa. Isto caracterizaria a construção de uma estética fora dos padrões da TV, o que defende a pretendida imagem de irreverência da emissora.

Análise dos eixos enunciativos de Flashblack

Se escolheu dar prioridade a eles, entendendo, nesta primeira etapa, que a comunicação verbal permitiria mais facilmente identificar os eixos temáticos do programas e os traços enunciativos do programa. Por tanto, só se mencionam alguns exemplos do comportamento não verbal, como outros sobre o tratamento da imagem (angulação e enquadre) quando eles sustentam um enunciado considerado significativo á análise.

A Familiaridade e a família construídas pelo programa

 

Enunciados

Significados associados?

 

 

 

Relação entre o apresentador e: outros apresentadores da MTV, produção do

  • "... tô falando de figuras incríveis que completam anos no dia 18 de Julho, uma delas (a cantora Martha Rives) tá por aqui..."
  • "...temos aqui (no estúdio) o querido Jackson, ..., tudo bom?"

conota intimidade, remete à uma relação de amizade, informalidade, idéia de espaço que exclui o telespectador na relação entre apresentador e entrevistado.

programa, entrevistados

  • "Hoje o nosso Flashblack fazendo uma conexão com (o programa) Hermanos MTV, inclusive a gente tem o mesmo consultor ... , vulgo borracho, que tava contando umas coisas aqui pra gente..."
  • "... inclusive Gastão Moreira ( VJ da MTV) tava dando um toque aqui pra gente..."
  • "...a gente já cansou de falar nisso um monte de vezes, mas se não fosse George Benson..." (entrevistado)

Idéia de grupo fechado, e de amizade entre apresentadores e destes com integrantes da produção, podendo transferir a idéia de distanciamento em relação ao telespectador.

 

 

  • "...cá entre nós..."

inclusão do telespectador no programa Flashblack e na "família MTV’, tom de cumplicidade, informalidade, intimidade (segredo)

Relação entre o apresentador e o telespectador

 

 

  • "...a nossa Music Television brasileira..."

exclusividade, participação do telespectador,

identificação pela nacionalidade

 

  • "...o nosso próximo bloco..."
  • "...o nosso Flashblack..."

inclusão do telespectador no grupo MTV, integração deste na família MTV, exclusividade.

 

  • "...trazendo a você sempre o melhor da música negra..."

Remete ao caráter fictício da relação íntima ("entre amigos"), ao aparecer um enunciado típico da televisão comercial.

 

  • "...a gente começa o nosso Flashblack com toda a família Brasil aqui presente..."

Definição de Brasil como uma "família" (como grupo com certo nível de coesão e harmonia), identificação com o país.

 

  • "...um abração pros mano, beijo pras mina, e abraço pra todos os aniversariantes do mês,..., incluindo aí meu querido pai seu Brandão,..."

pretendida relação de amizade, descontração, apresentador reforça o tom intimista e sai do seu papel tradicional.

 Este quadro proporciona alguns exemplos que permitem recompor as formas na construção da relação de "familiaridade" no programa Flashblack. A própria noção de familiaridade não é simplesmente um dos significados construídos no discurso da MTV e que aparecem neste texto, melhor trata-se de um eixo temático que articula diferentes significados, e até outorga-lhes um ordem de importância. Esses significados privilegiam uma certa leitura do texto, tentando eliminar ou desprazar outras e favorecendo aos significados que não se opõem a ideologia dominante.

Essa relação de "familiaridade" está estabelecida, por um lado, entre o apresentador Rodrigo Brandão e os entrevistados, por outro, entre os outros apresentadores e integrantes da MTV, e por último entre o apresentador do programa e as audiências.

As relações que se estabelecem entre os três são de "familiaridade" no sentido de tentar dar conta de um conhecimento prévio, da utilização de um tratamento informal e, quase íntimo. Mas também essa noção remete à família como grupo íntimo e gregário ao mesmo tempo.

Uma das evidências dessa falsa intimidade, como a utilização de apelidos e gírias, e que ao mesmo tempo que o apresentador se dirige ao entrevistado e as audiências com o uso do pronomes pessoais: "você", "a gente", "nós", ou "nossa MTV", não pode se desfazer dos códigos televisivos. Estes remarcam o caráter comercial e provocado desse encontro entre os membros da "família MTV", apresentador, entrevistado e audiências, como pode notar-se na frase "trazendo a você o melhor..." , donde o apresentador se identifica com a emissora como provedora.

Ao mesmo tempo, quando o apresentador de Flashblack se dirige aos entrevistados e aos outros apresentadores a través do tratamento "informal"- que é sempre construído como tal- os interpela não só como membros da "família do mundo da música" e da "família MTV" mas também como telespectadores. Em conseqüência, pretende-se reforçar a identificação das audiências com entrevistados e apresentadores da MTV.

Não obstante, o distanciamento do telespectador, ocorre, além de sua exclusão necessária da "família de músicos" , através da distinção entre o espaço do estúdio, "aqui", como oposto ao lado fora da tela. Porém, essa seja uma forma de exclusão inerente a televisão, no caso do programa Flashblack tem a função de marcar uma jerarquia que depende do conhecimento (execução) musical. A partir desse mesmo ordem jerárquico se reforçam as relações de identificação entre as audiências e o apresentador e entrevistado.

No nível do comportamento não verbal, a idéia de exclusão do telespectador nota-se através do enquadramento usado em algumas entrevistas, como por exemplo o chamado "Ponto de vista Anônimo" que mostra os dois participantes da cena em "Plano Americano", que enquadra os participantes da cena da cintura para cima, sugerindo um distanciamento em relação ao telespectador (11). Em algumas entrevistas reforça-se este distanciamento, pois apresentador e entrevistados acomodam-se frente à frente, de perfil em relação à câmara (olhos do telespectador) e, por vezes inclusive, sem olhar para ela.

Na construção dessa "intimidade" entre o telespectador e o apresentador, Flashblack retoma os códigos clássicos da televisão, e em particular do telejornal, quando o apresentador se dirige ao telespectador olhando diretamente para a câmara, como se esta fosse uma extensão da mirada do telespectador. Trata-se da utilização do "eixo y-y", que, segundo Eliseo Verón, é a ligação entre o apresentador e o telespectador através do olhar direto (12). O telespectador estabelece um laço quase corporal com o apresentador, é um recurso através do qual se pretende "desficcionalizar o discurso" e lograr um efeito de verosimilitude sobre a fala do apresentador (13).

Se bem esse tornar mais real refere-se, principalmente, a apresentação das notícias nos telejornais, no caso de Flashblack e da MTV, não tratara-se de desficcionalizar o conteúdo, no mesmo sentido, mas sim como uma forma de outorgar maior verosimilitude a falsa comunicação interperssoal (cara a cara) entre o apresentador e o telespectador. A utilização deste recurso do "eixo y-y" é acompanhado por gestos com as mãos durante a fala, onde a gestualidade pretende ressaltar o caráter "informal" e "descontraído" como parte da estratégia enunciativa da emissora. Assim, atenuar as diferenças entre público e apresentador.

Essa mesma tentativa de eliminação das distâncias, não podem ser ocultadas pelos enquadramentos da câmara, nem pelo fato de que o telespectador tem plena consciência de que se trata de um tipo de comunicação midiática. Porém, esse quebre da distância aparece na fala e no comportamento não verbal do apresentador de Flashblack que interpela as audiências com frases como "...cá entre nós..." , ao tempo que faz o gesto de levar a mão à boca, remetendo ao segredo, a transmissão de uma informação exclusiva, estabelecendo uma relação de cumplicidade. Também necessária para a identificação do telespectador como o VJ.

Se até aqui, a noção de "família" estava implícita, ela irrompe em algumas emissões do programa como com a frase: "... toda a família Brasil aqui presente!". Este enunciado, além de consolidar a idéia de familiaridade construída pelo programa, cumpre a função de causar a identificação do telespectador através da nacionalidade, ainda mais considerando que a MTV é uma emissora norte-americana da que a MTV Brasil é uma concessão desta. Nesta frase o Brasil seria o rango mais alto na jerarquia da "família MTV".

 

Black Music construída pelo programa

 

Enunciados

Significados associados

 

  • "Dub é um gênero jamaicano, um braço do Reggae mais psicodélico."
  • "Os grandes rappers chicanos de última geração..."
  • "...Hip hop da old school chicana."

Gêneros associados nações, e "estilos" segundo nacionalidade e geração ou escola.

 

Hip hop

Jazz

Soul,

Funk

Rock and roll

Reggae

Dub

Rap

gêneros que se relacionam à Black Music

Definição de Black Music: gêneros, nacionalidades, influências de "estilo"

  • "...tem influências de James Brown, de Sly Stone, da funk music,... da Black Music em geral."

Influências mais específicas como a de cantores, ou referentes dos gêneros matrizes da

 

  • "George Clinton completa seus 58 anos de piração, Funk music de primeira, soul, psicodelia, tudo isso misturado."

Black Music, tentando assim, ressaltar a "história" da Black Music, sua "tradição" tomada de outros gêneros, por oposição á novidade.

 

  • " ... a própria história do Jazz passa por Louis Armstrong com toda a certeza." *

 

 

  • "...Mister Bill Halley, também é um pilar do rock and roll."

 

 

 

 

  • "...o melhor da música negra..."

Com o termo "música negra" poderia ter uma conotação diferente ao "Black Music", desligando-a de suas matrizes americanas

 

 

 

Definição de Black Music a partir de aspectos performáticos

  • "...a principal parceira de Tricky é Martina, mulher com a voz extremamente melódica e muito agoniada faz o contraponto ideal com os vocais roucos e totalmente rítmicos de Tricky."

Identifica aspectos melódicos e harmônicos, características de estilo musical

 

  • "No show, o palco tem dois sets montados com quatro tocadiscos, um com o Zé, um comigo, e assim a gente vai tocando as bases e vai mandando todo o vinil..." (DJ falando de sua participação no show do Planet Hemp fazendo a "mixagem" do som)

Identifica um aspecto característico, a mixagem do som. Remete ao Rap e Hip hop.

Definição de Black Music segundo significados "extra" musicais.

  • "...a gente vai ter vendo Todos Tus Muertos, que é a banda assim cara, tipo negros na Argentina é complicadíssimo..."

Está implícita a concepção da Argentina como étnicamente homogênea.

 

  • "As duas bandas [Control Machete e Molotov] tem tudo a ver... todas elas do norte do México, que é a parte mais pobre mais que também é a parte muito mais musical da história toda..."

Relação estabelecida entre as bandas por pertencerem ao mesmo país e ao mesmo grupo social. Musicalidade é associada à pobreza.

 

 

  • "Cara, tá difícil pra caramba a situação da gente, a gente vai ter que depôr agora... a gente tá sendo acusado de fazer apologia às drogas e formação de quadrilha" (Marcelo D2 do Planet Hemp)

Criminalidade associada a droga, mas a aparição deste enunciado dá conta da postura enunciativa da MTV de não julgamento (através da análise do comportamento não verbal, que inclusive, poderia ser interpretado como apoio)

Neste quadro, tenta-se mostrar a imagem que se constrói no programa Flashblack sobre a chamada Black Music, eixo temático do programa, o que leva a pensar na existência desta como gênero musical, nutrido desses outros como o hip hop, funk, reggae e rap, rock and roll, e dub. Também poderia tratar-se de um macrogênero (14) que os engloba, ou de um simples agrupamento de gêneros musicais baixo a classificação de "música negra". Neste trabalho no interessa desvelar o verdadeiro significado quanto deconstruir os significados que compõem esse conceito no Flashblack MTV. È nesse sentido, que deve-se ressaltar o agrupamento do gênero, macrogênero ou estilo musical segundo a etnia, onde a cor da pela parece ser suficiente para traspassar os significados de uma cultura "étnica" ou de "raça". Parece como se a simples menção a negritude delimitasse o universo cultural correspondente.

O programa classifica alguns gêneros musicais como pertencentes à Black Music, através da própria inclusão destes no programa, bem por meio dos comentários do VJ, ou pela própria presença dos artistas dos gêneros que compõem a Black Music.

A falência na especificação sobre o que é a Black Music permite ao programa Flashblack jogar com a ambigüidade de seus limites. Também, parece ser parte da estratégia enunciativa do programa, homogeneizar ás audiências ou supor que, invariavelmente, todas elas compartem um conhecimento específico sobre cada um dos gêneros matrizes e as relações entre eles.

Essa ambigüidade na definição da Black Music é aproveitada na presentação dos múltiplos "estilos" e ramificações que têm aqueles gêneros. Eles podem ser tanto separados pela nacionalidade (Hip hop norte-americano é tomado como diferente do Hip hop mexicano etc.) como pelos aspectos performáticos, como pela intensidade da influência de um gênero sobre o outro. È inegável que manter essa ambigüidade têm a função comercial de atingir a um número maior de telespectadores, mas não deixa de ser parte da enunciação da MTV sobre os conceitos de música, raça, etnia, juventude, gêneros musicais, legitimidades musicais e história da música, entre outras. Ainda mais considerando que eles se agruparam formando e para sustentar "significados preferenciais". Desta maneira construi-se a idéia de conhecimento legítimo representada pelo VJ.

O programa também constrói a idéia de Black Music à partir de aspectos performáticos, caracterizando os gêneros musicais segundo aspectos melódicos, harmônicos e de "estilo".

O programa também identifica características entendidas como típicas de alguns gêneros musicais como por exemplo a "mixagem de som" (sobreposição e mistura de sons e músicas) que remete aos gêneros Rap e Hip hop, construindo uma imagem que confere à Black Music como hibridação.

Em alguns momentos também, os enunciados do programa indicam variantes possíveis dentro do gênero, indicando que o conceito que o programa tem à respeito da Black Music é bastante amplo.

Flashblack também constrói uma noção de Black Music ligada a posição social e a discriminação, como quando relaciona as bandas Control Machete e Molotov pela identificação destas com a "parte mais pobre do norte do México"; como se estabelece-se uma equivalência entre a pobreza e à musicalidade.

As vezes assume o discurso contra marginalização quando refere-se por exemplo à banda Todos Tus Muertos, citando implicitamente o problema racial existente na Argentina no enunciado " ...negros na Argentina é complicadíssimo...". Aqui nota-se a clara exclusão do povo negro na idéia de povo argentino, como se trata-se de um país étnicamente homogêneo.

Porém, o fato mais significativo da ligação entre a Black Music e os aspectos sociais, seja o ocorrido na emissão do programa do dia 16 de junho , no qual Marcelo D2 do Plante Hemp, em uma entrevista fala sobre o problema (em relação às drogas) que a banda enfrenta com a justiça.

Apenas a permanência (depois da edição) deste trecho da entrevista no programa, dá conta da postura enunciativa da MTV, a neutralidade, mas o comportamento não verbal (expressões de indignação) do apresentador poderia ser interpretado como apoio aos entrevistados.

O que indica que a emissora não pretende indispor-se com seu convidados, nem julgar as atitudes destes, para não quebrar a idéia de convivência harmônica da "família", nem para se associar a uma postura "repressiva" que possa se opor a "cultura jovem".

 A juventude construída pelo programa

 

Enunciado

Significados associados

 

  • "Vai juntando um dinheirinho e guardando no bolso pra não perder essa daí, viu!"

relação de intimidade com o público, despreocupação formal, aspectos comerciais

 

 

 

 

Associação com

descontração e informalidade

  • "...tava aqui num..."
  • " ...fazê..."
  • "Tantos nego assim junto..."
  • "...vocês tão bem..."
  • " Tô errado..."

Uso de palavras e frases erradas, supressão de letras.

comumente usado na linguagem falada. Linguagem coloquial

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Associada à idade, (vocabulário típico)

  • "salve, salve rapaziada!"
  • "Trocando uma idéia na manha..."
  • "...tá ligado!"
  • "...pintou essa parada aí, mano..."
  • "classe A!"
  • "...acabou de rolar..."
  • "...dando um toque..."
  • "...nas antigas..."
  • "Beleza aí, rapa!"
  • "...a galera"
  • "...pra caramba!"
  • "Pode crê!"

 

 

 

Utilização de expressões, gírias que remetem à juventude, exclusão dos telespectadores não familiarizados à elas (em geral, essas expressões são bastante conhecidas)

 

  • "Se liga!"

remete à juventude, informalidade, apela à atenção do telespectador

 

 

 

 

 

 

Associada à rebeldia, à ruptura e contestação

  • "Cara, tá difícil pra caramba a situação da gente, a gente vai ter que depor agora... a gente tá sendo acusado de fazer apologia às drogas e formação de quadrilha . Agente pode pegar de 3 à 15 anos. Isso é sinistro, entendeu! Não sei se agente vai ser exilado, fuzilado ou sei lá o que. Isso aí é os caras que vão decidir. Então a gente vai continuar fazendo o som da gente. Por que eu gosto é de fazer música, não quero me meter nesse lance." (Marcelo D2 do Planet Hemp)

Identifica tipo de relação da juventude com a autoridade e com a lei (relação de oposição e contestação), ridicularização da autoridade, solução frente à duvida é a música, importância da música.

Falta de arrependimento, que seria o socialmente esperável. Não requisição de arrependimento por parte da MTV, posição de apoio.

Esta tabela mostra a idéia de juventude construída pelo programa Flashblack , associada a características como a "informalidade", "descontração" e "rebeldia".

O conceito de "informalidade" é trabalhado na apresentação, nos enunciados, através da utilização de palavras erradas pela supressão de letras ou pela troca das vogais que finalizam as palavras. Esta característica, comum na linguagem falada, também reaparece em alguns outros gêneros televisivos como os talk shows ou os programas de entretenimentos, para criar o efeito de "informalidade" e estabelecer uma relação de identificação como o telespectador. Porém, não deixa de representar um quebre em outros tipos de enunciação como o telejornal ou nas entrevistas. Em Flashblack, se tenta por um lado, criar esse efeito de "informalidade". Por outro, nas entrevistas realizadas no programa se retoma o modo mais clássico de dirigir-se ao telespectador, mais similar ao telejornal. na televisão em geral, procura-se tomar determinados cuidados para evitar, por exemplo, a supressão de letras, o que denota grau de descontração acima do convencional, o que encontraria dificuldades de aceitação pelo telespectador em geral.

Outro indicio dessas construção da "informalidade" e "deconstração" "típica dos jovens" são as demonstrações de entusiasmo através de exclamações ou expressões ("Beleza aí, rapa’!", "...pra caramba!", entre outras) que são reforçadas no comportamento não verbal do apresentador com sorrisos, gestos com os braços e mãos.

Nesse sentido, o apresentador refere-se as audiências com a intimidade de um amigo como na frase citada no quadro: "Vai juntando um dinheirinho e guardando no bolso pra não perder essa daí, viu!".

Outro tipo de apelações utilizadas são as que se fazem para à atenção do telespectador, como em qualquer outro programa televisivo, com expressões como "Se liga!". Esse tipo de apelações são comuns entre os jovens, e no programa, procura manter a relação de "familiaridade" reforçando o processo de identificação com o apresentador. O recurso de apelar ao telespectador para que não troque de canal ou para que diminua sua atenção, não desentoam com a linguagem informal.

A construção da idéia de juventude que se dá especificamente através do vocabulário, é feita através de gírias ("figuraça", "rapaziada", "camaradão", "rolar", "lance" e "ligado") que remetem diretamente à juventude. Esse recurso enunciativo também cumpre o papel de excluir àqueles telespectadores que não estão familiarizados com estas expressões, o que reforça a idéia de grupo.

A remissão ao caráter contestatário e rebelde, associado à juventude, é feita através dos enunciados e dos aspectos visuais do programa. Como exemplos dessa caracterização, temos um trecho de uma entrevista realizada com o vocalista da banda de Rap Planet Hemp, Marcelo D2, que opõe-se à autoridade judicial. Indica afastamento e contestação em relação à autoridade legal, como também a ridiculariza através de ironias.

Mas a característica que causa maior relação com a questão da ruptura de uma determinada convenção social televisiva, é o fato de que este enunciado refere-se à um problema em relação às drogas de uma forma oposta à lei, ao "socialmente aceitável". Inclusive, o apresentador de Flashblack apoia esta postura contestatária, porém de forma sutil, através do comportamento não verbal: expressões faciais e gestos com as mãos denotando indignação e demonstrando concordar com o entrevistado. Assim, pode-se observar que a emissora não requer o arrependimento do entrevistado.

Esse caráter "rebelde" e de "ruptura" transformam-se no programa em convenções para caracterizar a juventude. Os enunciados também remetem a uma outra característica associada à juventude, que é a experimentação do novo, parte da visão "romântica" sobre a indústria da música. Essa não só é uma propriedade adjudicada, convencionalmente, a juventude mas também á música popular sobre todo a partir do surgimento do rock and roll. As vezes parece com que esse caráter inovador e tão dependente dos signos visuais não fosse um traço originário e distintivo da pop music e do rock and roll.

O equivalente a estas características mencionadas na construção da imagem ficam por conta da angulação e do enquadre, considerando que em Flashblack não se utilizam efeitos especiais digitais de nenhum tipo. Um exemplo disso é o enquadramento descentralizado do apresentador na tela, o que contraria a composição clássica –no centro– de quadro televisivo. O apresentador, por vezes, fica posicionado à direita ou à esquerda da tela, e até na diagonal. Estes tipos de angulação e enquadramento correspondem ao "ponto de vista surreal" (15). Este tipo de ponto de vista da câmara causa uma sensação de estranhamento no telespectador, quebrando com a estética convencional.

Conclusão

O programa Flashblack se constrói como regido pela "inovação" e "informalidade", marcas de auto-identificação da MTV, que pretendem-se diferentes da linguagem convencional do meio televisivo e que formam parte de sua estratégia discursiva.

Mas na pretensão de se constituir em "inovação" e ‘informalidade", o programa utiliza vários dos códigos da televisão massiva "convencional". Se não existe uma imagem de tela, em Flashblack e na MTV, tão diferenciada da televisão massiva, isso nem sempre, autoriza a argüir que a MTV e seus programas representam uma simples variação na estética da televisão, sem diferencias remarcáveis (16).

Esse argumento é facilmente revatível, considerando que o tema-motivo de programa, a Black Music, é construído a partir dos eixos mencionados e que no texto conformam redes de significados. Estes significados referem-se a aqueles que o programa veicula como os mais significativos, que devem ser entendidos segundo o código utilizado na instância de produção ("emissão") e que pretendem ser decodificados nos mesmos termos. Esses "significados preferenciais" consistem na construção do conceito de Black Music como formada por diversos gêneros musicais, como um macrogênero. Ao mesmo tempo, este tipo de música poderia estar composta por diferentes "sub-gêneros" musicais tipificados segundo a nacionalidade e segundo as regras da performance artística.

Neste sentido, existe certa ambigüidade na construção da noção de Black Music, que por uma parte se apresentaria como um todo homogêneo com, aparentemente, claras subdivisões, e por outro, com um gênero dotado de tal heterogeneidade e poderia incluir gêneros diferentes e performances musicais divergentes. Ao mesmo tempo que a Black Music poderia ser definida considerando só às características performáticas, como se a Black Music pudese ser reconhecida pelas formas de execução dos instrumentos ou de apresentação dos shows .

Também formam parte dos "significados preferenciais": as construções das noções de juventude (associada a "inovação", "informalidade" e "deconstração") e de "família" (como sinônimo de grupo dotado de "homogeneidade" e "coerência"; como "grupo de amigos" e da MTV como "família"). Assim o papel outorgado as audiências nessa rede de relações familiares que, por vezes, o excluem. Da rede de "significados preferenciais" também não se podem excluir as referências a algumas problemáticas sociais vinculadas à Black Music. Da análise efetuada, desprende-se que a noção de "negritude" ou de raça não aparece como uma constante, não constituindo um desses significados. Pelo contrário, a omissão da "raça" e da "negritude" – esta última caracteriza o titulo do programa- é um dos significados dominantes. Destas formas, discursos extra-televisivos invadem o programa Flashblack, pautando o que poder ser dito.

Parte desses discursos extra-televisivos é aquela "visão romântica" sobre a indústria da música que lhe confere "autenticidade", "espontaneidade" e "inovação" mas sempre dentro de um grupo fechado. Volta a aparecer aqui, o conceito de "família", mas agora estendido ao ambiente musical e ao conhecimento necessário para formar parte dele.

Para a emissora, a questão do tema específico, transfere ao programa o "status" de ser um produto especializado, que vem a representar um diferencial na programação e que busca reconhecimento como tal. Este diferencial seria um indicativo de qualidade, através da sua especialidade, na programação da MTV e suporia um público igualmente específico com conhecimentos sobre o gênero Black Music. Porém, a partir do análise do papel do apresentador, não se deduz a existência de tal tipo de destinatário (imagem que o enunciador/produtor/ emissor constrói sobre as audiências).

A pretendida idéia de família e de "relacionamento de amizade" é parte do contrato que Flashblack estabelece com suas audiências. Isto, torna-se evidente tanto comportamento verbal quanto no comportamento não verbal do apresentador. Esta idéia é sustentada pela "simulação" das interações pessoais que o programa procura estabelecer com o telespectador e com os entrevistados.

Mas se esta é uma característica do código televisivo, do contrato televisivo de quase qualquer gênero -sobre todo dos não ficcionáis- no Flashblack ela serve, também, para nutrir o "imaginário" em torno á Black Music.

Essa interação que, remete a um tipo e ambiento específico: a família e o grupo de amigos, está sustentada numa determinada noção de juventude, na qual esta pode ser apreensível por seus rasgos inerentes e a-históricos. Esta visão sobre a juventude construída pelo programa Flashblack não constitui uma noção "alternativa" sobre a juventude, como se pretenderia seguindo o discurso da MTV. Mas bem, é esse o ponto central da estratégia enunciativa de muitos dos programas da MTV: re-apresentar a velha definição de juventude.

Bibliografía

MACHADO, Ida Lúcia. "Análise Discursiva de um Gênero Televisual: a Entrevista no Talk show Jô Soares 11 e Meia". In: O Discurso da Mídia. São Paulo, Oficina do Autor, 1996.

. "La Información televisada: modelos descriptivos y estratégias de formación". Introdução em Boletin Certeic n° 10, Universidade de Lille 3, 1989 a.

___________. "Está aqui, lo veo, me habla". Cátedra de Semiótica II, Facultad de Ciências Sociales, Universidad de Buenos Aires, 1989 b.

Notas

(1) Este texto formou parte da pesquisa "MTV Brasil e MTV Latino" (1997-1998) integrante do Projeto "Eu sou você amanhã: Convergência das teles e tevês na Argentina e no Brasil" com apoio CNPq e desemvolvida no Núcleo de Pesquisa em Mídia no Cone Sul, FABICO/ UFRGS, e deu origem a Wassermann, Maria Teresa; Rodríguez Marino, Paula; Capparelli, Sérgio. "Flashblack MTV: construção de uma identidade televisiva". Apressentado no X Salão de Iniciação Científica - VII Feira de Iniciação Científica,19 a 13 de Outubro de 1998, Porto Alegre. Agradeço a colaboração da bolsista de IC Maria Teresa Wassermann do curso de Jornalismo/Fabico/ UFRGS neste projeto.

(2) O corpus, constitui-se de quatro emissões do programa, seqüenciais durante Junho e Julho (dia 16/06/98, dia 23/06/98, dia 30/06/98 e dia 7/07/98) além de duas outras, escolhidas num período anterior, que serviram de piloto (dia 9/ 3/ 98 e 2/ 6/98).

(3) A proxêmica ocupa-se do "espaço em torno do indivíduo e explica os movimentos de um corpo em relação a outro: a posição dos braços e pernas, distância interpessoal, contato visual e toque. Todos esses elementos podem ser entendidos como variáveis proxêmicas. (Machado:1996:103:104)

(4) Ida Lúcia Machado. ‘Análise Discursiva de um Gênero Televisual: a Entrevista no Talk show Jô Soares 11 e Meia’, in O Discurso da Mídia. (São Paulo: Oficina do Autor, 1996) , pp.105-106

(5) O coneito utilizado é tomado de Robert Allen, "Audience-Oriented Criticism and Television", in: Robert Allen (ed.) Channels of Discourse. Television and Contemporary Cristicism. (Chapell Hill & London, The University of North Carolina Press, 1992), Second Edition, pp. 101-137. Allen argumenta que o Mode of address tem a ver com a forma através da qual o texto apela e interpela aos destinatários, criando um leitor/telespectador "implícito". Essas formas de dirigir-se ao telespectador determinam, principalmente, os rasgos enunciativos e retóricos de um gênero e de um texto. Se constrói uma "imagem do destinatário" , uma "imagem do enunciador" e forma-se a relação contratual entre enunciador e destinatário. Segundo Robert Allen, dos das formas mais típicas de dirigir-se ao telespectador são o "modo dos filmes clássicos de Hollywood", onde não se apela diretamente ao espectador e o "modo retórico", utilizado pela televisão. Neste último se ressalta a capacidade da televisão de simular a comunicação interperssoal, simulando um encontro cara a cara entre quem está no estúdio e quem está fora da tela. Exemplos disso é no momento em que o ator/apresentador/ âncora olha á câmara ou quando menciona ao telespectador

(6) A câmara no plongée loacliza-se acima do nível normal do olhar, além da altura dos olhos. Por quanto que no contra-plongée, a câmara está num nível inferior ao do olhar. Ver Ida Lúcia Machado (1996: 109)

(7) Ida Lúcia Machado, Op. cit., pp.107-108

(8) Verón, 1989b

(9) Machado, 1996, 106

(10) Machado, 1996, 108

(11) Machado, 1996, 105

(12) Verón, 1989 b

(13) íbid.

(14) O macrogênero representa uma matriz para os gêneros derivados dele, inclusive compreende a outros gêneros de diferentes suportes midiáticos e com variadas modalidades enunciativas. A modo de exemplo pode citar-se ao melodrama como macrogênero que inclui a telenovela, o folhetim, o radioteatro, a soap opera, a literatura cordel, a "novela rosa" e até a ópera.

(15) Machado:1996:108

(16) Esse argumento sobre a similaridade entre a MTV e a televisão massiva pode levar ao argumento da "falta de conteúdo" da MTV, suponde que trata-se de um "simples" exponente da Pós-Modernidade e que, por tanto, resultaria na ausência de limites fixos, de uma racionalidade linear e na exacerbação da fragmentação e da forma. (Ver Fiske: 1989; Kaplan: 1992; Wollen:1989; Morse:1989; Telztaff :1989).


FORMA DE CITAR ESTE TRABAJO EN BIBLIOGRAFÍAS:

Rodríguez Marino, Paula (2001): Flashblack MTV: sem retorno à música negra na família da MTV. Revista Latina de Comunicación Social, 44. Recuperado el x de xxxx de 200x de:
http://www.ull.es/publicaciones/latina/2001/latina44septiembre/4405paula.htm